Ao Vivo

estadao

Marina participa da 'Entrevistas Estadão'

Encontro realizado no auditório do Grupo Estado é transmitido ao vivo, a partir das 16 horas

 

O Estado de S.Paulo

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, participa nesta terça-feira, 2, da série Entrevistas Estadão, no auditório do Grupo Estado. A ex-ministra é a quinta concorrente ao Planalto a ser ouvido pelos jornalistas do Estado.

A entrevista, de uma hora de duração, é transmitida ao vivo pelo estadao.com.br e pelo canal do jornal no YouTube. Internautas podem fazer perguntas a Marina pelas redes sociais, usando a hashtag #EntrevistasEstadao.

Já participaram da série os candidatos Aécio Neves (PSDB), Luciana Genro (PSOL), Pastor Everaldo (PSC) e Eduardo Jorge (PV). A data da entrevista com a presidente Dilma Rousseff (PT) será confirmada.

02/09/2014, 12h55

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 17h15

    02/09/2014

    Iuri Pitta, editor assistente de Política do Estadão, encerra o debate com Marina Silva. A candidata falou sobre os problemas em seu programa de governo e defendeu a consolidação das conquistas do Brasil, tanto as adquiridas no governo Fernando Henrique, mais voltadas para área econômica, quanto as de Lula, mais sociais. Agradecemos os internautas que estiveram conosco e convidamos todos para assistirem a conversa com o candidato ao Senado, Gilberto Kassab, nesta quarta-feira.  

  • 17h13

    02/09/2014

    "Eu diria que pode ser uma escolha. A sociedade brasileira me conhece, conhece os valores que eu defendo a luta que eu tenho por mais de 30 anos. Comecei como vereadora, deputada, Ministra do Meio ambiente...se eu dizer que uma pessoa que não foi eleita nem vereadora for eleita presidente do Brasil ai sim eu diria algo", afirma Marina. 

  • 17h12

    02/09/2014

    Termina a entrevista com a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva. A participação da presidente Dilma Rousseff (PT) ainda será confirmada. 

  • 17h11

    02/09/2014

    Iuri pergunta a opinião de Marina sobre a campanha petista que comparou a ministra aos ex-presidentes Janio Quadros e Collor. "O eleitor me conhece. Comecei como vereadora, fui deputada."

  • 17h11

    02/09/2014

    "Quando a gente diz que vai escolher os melhors dos partidos te acusam de anti-democrático", afirma Marina.

  • 17h04

    02/09/2014

    "Estamos dizendo que a disposição para o diálogo e não a guerra que é estimulada entre agricultores e indío",a firma. 

  • 17h03

    02/09/2014

    "A função social da terra está estabelecida na constituição. O que nos estamos dispondo para resolver os conflitos em relação as comunidades indígenas é que o governo se disponha ao dialogo", afirma

  • 17h01

    02/09/2014

    "Ela (Dilma) que tem que explicar para sociedade brasileira porque ela diz que ia baixar juros e ia fazer o Brasil crescer e agora temos essa situação de desmande", afirma. 

  • 17h00

    02/09/2014

    "A Petrobrás não pode ser utilizada politicamente, inclusive como instrumento de maquiar os desmandes fiscais que o governo tem. A Petrobrás tem problemas graves que precisam ser investigados para que a empresa tenha eficiência e consiga atuar no mercado. Ela não pode ser utilizado politicamente. O que está sendo feito com os preços administrados para controlar a inflação tem um custo muito alto para todos os brasileiros. Espero que a presidente Dilma o faça e assuma as responsabilidade que tem. Ela tem que fazer a correção dos erros que cometeu, administrando os preços para controlar a inflação de forma artificial", afirma. 

  • 16h58

    02/09/2014

    "As riquezas do pré-sal terão que ser investidas inteligentimente. É fazer o que a Noruega anda fazendo, utilizar ester recursos para o País ir além de onde está", afirma. 

  • 16h57

    02/09/2014

    "O pré-sal é uma riqueza que precisa ser explorada com as melhoers tecnologias. Cujas riquezas serão usadas em educação. Essas riquezas serão utilizadas na escola de tempo integral. O pré-sal é fundamental. Agora o que é fundamental também é investir em novas fontes de geração de energia", diz. 

  • 16h56

    02/09/2014

    "Ninguém está propando que elas (as temoelétricas) sejam desativadas. Não é prioridade uma única fonte de geração. Temos que ter uma matriz energética diversificada", diz Marina. 

  • 16h55

    02/09/2014

    "Queremos que a matriz energética continue limpa e segura. Hoje perdemos quatro Belo Montes pelo não aproveitamento do bagaço da cana do açucar", afirma. 

  • 16h54

    02/09/2014

    "A questão da matriz energética brasileira é um desafio. O Brasil para crescer precisa de energia é uma das maiores fontes é hidroelétrica. E não temos nenhum preconceito a hidroelétricas. O que nos procuramos pe buscas a viabilidade econômica, social e ambiental para os projetos. Qualquer processo licenciado resolvendo estas questões estará liberado. Presidente da República não é aquele que faz tudo e faz o resto. Presidente tem que ter equipe", afirma Marina. 

  • 16h51

    02/09/2014

    "O Congresso é autônomo, eu respeito a autonomia do Congresso Nacional. Os parlamentares da base do governo vão votar em um candidato. O Presidente do Congresso é eleito para representar a instituição. Conversaremos com quem for eleito, mas não como se ele fosse subornidado ao executivo", diz Marina, que afirmou que não gostaria de conversar com Renan Calheiros, que trabalha para ser eleito presidente do Senado. 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.