Ao Vivo

estadao

Pastor Everaldo participa da série Entrevistas Estadão

Candidato do PSC à Presidência é o segundo a responder perguntas de jornalistas e de eleitores

 

O Estado de S.Paulo

O candidato do PSC à Presidência, Pastor Everaldo, é o convidado desta quarta-feira, 20, da série Entrevistas Estadao. Ele é o segundo candidato ao Planalto a participar da série, que também já recebeu os principais candidatos ao governo de São Paulo.

A transmissão começa às 16 horas no portal estadão.com.br e no canal do Estadão no YouTube. Internautas podem enviar perguntas pelas redes sociais usando a hashtag #EntrevistasEstadao.

O candidato do PV, Eduardo Jorge, foi o primeiro presidenciável a participar. Nesta sexta-feira, 22, será a vez da candidata do PSOL, Luciana Genro.

20/08/2014, 15h36

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 17h16

    20/08/2014

    O "Entrevistas Estadão" nesta quinta-feira, dia 21, será com a candidata à Presidência pelo PSOL, Luciana Genro. Boa tarde!

  • 17h13

    20/08/2014

    Encerramos neste momento a transmissão da "Entrevistas Estadão" com o candidato do PSC à Presidência, Pastor Everaldo. O candidato se mostrou favorável à diminuição da participação estatal na economia, prometendo privatizar aeroportos e a Petrobrás. Ele diz que sua campanha não é de imposição de suas crenças religiosas, embora garanta que vetaria uma possível lei que permitiria a adoção de crianças por casais homossexuais. Everaldo garantiu que não governará para os evangélicos, mas para todo brasileiro, e que não se sente desconfortável com a presença de lideranças religiosas como Marco Feliciano e Silas Malafaia em sua bancada. Ele ainda defende que não haja maioridade penal para quem cometa crimes hediondos e prometeu aumentar substancialmente os investimentos em educação, afirmando que vai tirar recursos para isso enxugando a máquina estatal. "O cidadão precisa de mais Brasil e menos Brasília", disse ele.

  • 17h06

    20/08/2014

    "Sou a favor do financiamento de campanha privado, como é hoje. Mas deve haver transparência. Na hora que eu privatizar a Petrobrás, não vai mais haver interesse de ninguém em busca de ganhar licitação e financiar campanha. Estado grande é responsável por isso", afirmou Everaldo.

  • 17h04

    20/08/2014

    "Eu não tenho ideia religiosa. Eu não vou impor ao cidadão os meus princípios. Graças a Deus aqui há democracia. Eu respeito a fé de cada um, mesmo que eu jamais vá negá-la", disse Pastor Everaldo.

  • 17h03

    20/08/2014

    "Sou favorável a manutenção dessa regra de não tributar igrejas. Não vou mudar essa legislação. È uma lei antiga e da cultura brasileira", afirmou. "Trarei no meu palanque Silas Malafaia, Marco Feliciano e outras lideranças religiosas, não vejo problema com isso", afirmou Everaldo.

  • 16h57

    20/08/2014

    "Precisamos melhorar para criar mais empregos, temos de trabalhar. Não há como fazer nada sem conversar com a sociedade. As manifestações de 2013 aconteceram porque não se ouvia a sociedade. Temos de ouvir para encontrar solução", disse Everaldo.

  • 16h55

    20/08/2014

    "Sou contra taxação de grandes fortunas. Defendo mais Brasil e menos Brasília na vida do brasileiro, assim todos poderão participar", disse Everaldo.

  • 16h54

    20/08/2014

    "Aprendi a trabalhar em equipe. Tenho o exemplo de um grande mineiro, Itamar Franco. Ele chamou todas as forças políticas e criou um governo de coalizão num momento muito difícil e elegeu em seguida um candidato que nem era do partido dele, que era o Fernando Henrique. O presidente Lula fez o mesmo com o Henrique Meirelles, que saiu do PSDB para ser presidente do Banco Central", disse Everaldo. 

  • 16h53

    20/08/2014

    "Não é possível diminuir a carga tributária neste momento. Trabalharemos para reduzir a zero os tributos no setor de saúde. O governo hoje gasta mais do que arrecada. Aí tem que pegar dinheiro a juro hoje de 11% e isso só aumenta. Vamos diminuir o Estado para 'cortar na carne' e economizar. Vamos aumentar o Fundo de Participação dos Municípios em 2% e enxugar a máquina pública", afirmou.

  • 16h48

    20/08/2014

    "Eu ajudei a implementar o precursor do Bolsa-Família, o Cheque-Cidadão na gestão Anthony Garotinho. Os beneficiados deveriam provar que tinham as crianças matriculadas nas escolas. Devemos dar capacitação para todos os beneficiários do Bolsa-Família Se eu for presidente, nenhum brasileiro vai passar fome. Manterei os programas, instrumentalizando condições para cada um que recebe possa tirar uma carteira assinada e em algum momento sair do programa", afirmou Everaldo.

  • 16h45

    20/08/2014

    "Sou favorável a que qualquer pessoa que cometa um crime cumpra a pena, independentemente da idade. Crimes hediondos devem ser tratados como crimes hediondos. Temos de ter um sistema que crianças e adolescentes delinquentes - que não praticaram algum crime hediondo - possam usar a energia deles a praticar alguma atividade esportiva de alto nível. Temos de mudar a legislação", afirmou Everaldo.

  • 16h42

    20/08/2014

    "Não gosto de armas, mas houve um referendo em 2005 quanto proibição ou não do porte de armas e não vem sendo respeitado", afirmou Everaldo.

  • 16h41

    20/08/2014

    "Eu tenho a minha fé. Mas serei presidente de todos os brasileiros. O meu coordenador de campanha é de origem agnóstica e representante da esquerda. Não segrego ninguém. Minha fé eu pratico na minha igreja", afirmou o Pastor Everaldo. "A democracia garante a liberdade de defender suas crenças. Cada um defende naquilo que acredita. Sou favorável ao voto e que mostrem sua força na urna. Vamos votar e decidir", afirmou Everaldo sobre possível proibição do aborto e do casamento gay.

  • 16h37

    20/08/2014

    "Sempre tivemos a mesma posição, quem estranha é porque não prestava atenção em nós", afirmou Pastor Everaldo, respondendo pergunta sobre a possível mudança de postura recente contrária ao governo.

  • 16h36

    20/08/2014

    "Nunca fizemos parte do governo. Fazíamos bloco com o PMDB, que é da base aliada do governo, fizemos a opção de manter essa aliança. Fomos chamados para dialogar com o PT e convidados a participar do governo, mas delineamos que teríamos candidatura própria porque não concordamos com algumas posições. Votamos favorável ao governo quando achamos que é bom para o Brasil e continuaremos assim", disse Everaldo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.