Axl Rose e seus escândalos voltam ao Brasil

Não é à toa que William Bailey, ou Axl Rose, o vocalista que adotou como nome um anagrama de "oral sex", aceitou o convite para participar do Rock in Rio III. Ele e sua banda, Guns N´ Roses, apresenta-se apenas no dia 14 de janeiro em Jacarepaguá, Rio. A voz mais esganiçada do rock concordou em sair de um silêncio que já dura sete anos em palcos brasileiros. Desde o fim do Guns N´ Roses - aquele Guns que todo mundo conhecia, em 93 -, que Axl se enclausurou sem conceder aos jornalistas uma foto sequer. Dizem que engordou, que cortou os cabelos, que... Bom, ele dá o que falar desde que deixou o povoado de Lafayette, Indiana, para estabelecer-se em Los Angeles. Lá, conheceu Izzy Stradlin e, juntos participaram de várias bandas embriãs do Guns N´ Roses - A.X.L., Hollywood Rose e L.A. Guns. Em 85, o L.A. Guns foi rebatizado numa espécie de homenagem às duas bandas e passou a chamar-se Guns N´ Roses. O último integrante definitivo a chegar foi o guitarrista Slash, que chegou ao Guns N´ Roses através de um anúncio de jornal. Foi uma ascensão meteórica e, à medida que a conta bancária de Axl crescia, aumentava também o número e o tamanho das encrencas. O primeiro e mais importante disco da banda tem um título que serve de prenúncio para o que estava por vir, Appetite For Destruction (87). Confusões e prisões - Pequenos quebra-quebras em casas de shows de Los Angeles viraram confusões públicas, processos e prisões. No segundo álbum, G N´ R Lies, Axl foi apontado pela imprensa como racista, homofóbico e fascista, por causa da letra de uma música chamada One in a Million. Dois anos sem gravar, um disco duplo e confusão multiplicada por dois. Durante um show da turnê dos álbuns Use Your Illusion I e II, em Saint Louis, Axl irritou-se com um espectador que gravava a apresentação, atirou-se na pista, arrancou e quebrou a câmera. De volta ao palco, possesso, largou do microfone e bateu em retirada, deixando um estádio lotado para trás. O público, ensandecido, respondeu quebrando o que tinha pela frente: guitarras, bateria, cenário e o estádio. O Guns N´ Roses revidou, adicionou uma nota no encarte dos discos recém lançados e um adesivo na capa. O adesivo era uma advertência: "Este álbum contém linguagem ofensiva a algumas pessoas. Dane-se e compre algo na seção de New Age". A nota do encarte mandava a cidade de Saint Louis para a..., enfim, Axl chegou a ser proibido de botar os pés lá. O sucessor de Use Your Illusion I e II, último disco da banda, não é mais ameno, a começar pelo título, The Spaghetti Incident? Este curioso nome para um álbum só de covers, Axl tirou de uma das suas visitas a um tribunal. Naquela ocasião, o ex-baterista do grupo, Steven Adler, processava seus ex-companheiros por atribuir ao Guns a culpa por seu vício em drogas. Música de Charles Manson - Os membros do Guns, sentados juntos, atiraram em Adler um prato de macarrão. A última música, sem crédito, chamada Look At Your Game, Girl, é de autoria de Charles Manson, líder do massacre em que morreu a atriz Sharon Tate. Depois de The Spaghetti Incident?, Axl dispensou a banda e calou-se por quase 7 anos. Os atritos com sua namorada, Stefanie Seymour, e com uma atriz, Savanah, devem ter influenciado a decisão. A namorada o processou por roubo e fraude. Savanah, que teve um caso com Axl e Slash, anunciou na época aos quatro ventos: "Slash é maravilhoso na cama, mas o cérebro de Axl é ainda menor que seu pênis". Numa recente quebra de silêncio, tímida, por telefone, Axl falou à MTV norte-americana, e respondeu à pergunta "O que você fez nos últimos 7 anos?" Axl: "De início, estava tentando gravar um um outro Appetite For Destruction, porque isso seria fácil de se fazer, já que eu estava sendo processado por questões que tinham a ver com minha vida profissional e pessoal. Estava sem tempo de desenvolver um novo estilo ou me reinventar". Mais de 10 integrantes foram sondados ou perteceram ao tal novo Guns N´ Roses até Axl chegar à nova formação e ao prometido novo disco, Chinese Democracy. Segundo ele, a nova banda, antes de compor, regravou Appetite for Destruction numa fita, de cabo a rabo. "Regravar Appetite nos forçou a atingir a qualidade de que precisávamos", disse na mesma entrevista, em que afirmou ter mais de 70 músicas novas. Mas, como disse, não foi por acaso que Axl concordou em voltar a se apresentar em público no Brasil, no Rock in Rio III. O Rock in Rio II serviu de virada ao Guns N´ Roses. Era 1991, na mesma noite do Faith No More. O Guns apresentou-se aqui com o baterista substituto de Steven Adler, Matt Sorum, e também o tecladista Dizzy Reed. Deu certo. Por que não daria certo agora apresentar ao público uma banda inteiramente nova? Quebra de palavra - Foi talvez pensando nisso que a organização do festival entrou em contato com Axl, e ele concordou em ressurgir por aqui. O mundo todo voltaria as atenções para o Brasil, para o Rock in Rio, para o novo Guns N´ Roses... Mas Axl ainda não desaprendeu de criar polêmica, era uma meia-verdade. Tocar aqui ele vai, só que para tristeza geral dos organizadores do festival, não será a volta aos palcos depois de 7 anos. Rose arrumou uma apresentação em Las Vegas, no ano-novo. Fazer o quê? Ele deve ter planejado mais um par de escândalaos para a volta ao Brasil. Em 93, do mezanino do Maksoud Plaza ele atirou uma cadeira em fãs e jornalistas que estavam no térreo do hotel.

Agencia Estado,

01 Janeiro 2001 | 23h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.