Sábado, 3 de Fevereiro de 2001, 14:47 | Online

Negritude Jr. procura novo vocalista

Depois de demitirem Netinho na segunda-feira, que ainda tentou negociar sua permanência, a banda de pagode quer definir até março o nome do substituto

Os integrantes do Negritude Jr. estão à procura de um novo vocalista. Depois de demitirem Netinho na segunda-feira, surpreendendo o próprio cantor, eles anunciaram que vão definir em março quem será o novo membro do grupo. Até o fim de fevereiro, Netinho continua na banda cumprindo a agenda de divulgação do disco Periferia, o oitavo na carreira dos pagodeiros.

O Negritude está completando 15 anos de história. Para celebrar a data e se despedir de Netinho sem deixar no ar um clima fúnebre, os músicos vão realizar um grande show em Carapicuíba, onde se conheceram, e transformá-lo em CD. A data da apresentação ainda não foi definida, mas a gravadora EMI quer lançar o disco até o início de abril.

Em entrevista coletiva realizada anteontem, Netinho mostrou seu descontentamento em deixar o grupo e chegou a chorar. "Não vejo que vantagem minha saída poderia trazer ao Negritude", disse. "Tentei argumentar que poderia conciliar meus compromissos com a música, mas fui voto vencido."

Os compromissos a que ele se refere são os serviços assistenciais e os negócios que coordena - entre eles uma empresa de comunicação visual, um salão de beleza e uma confecção de roupas - e o trabalho como apresentador de tevê.

A amizade continua - Foi justamente a assinatura do contrato para apresentar um programa semanal na Record o que levou o Negritude a decidir trocar de vocalista. A assessora de imprensa da EMI informou que "o grupo percebeu que fazia mais shows antes de Netinho começar a se envolver em outras atividades". Mas ela garante que a amizade entre o vocalista e os colegas, que se conheceram na infância, não foi abalada.

Ironicamente, o programa que Netinho irá comandar na Record será batizado com o mesmo nome do disco de maior sucesso do Negritude: Gente da Gente. Lançado em 1995, o álbum vendeu quase 700 mil cópias e marcou a fase de maior popularidade dos pagodeiros.

A entrada de Netinho na tevê não significa que ele vá abandonar a carreira de cantor. A EMI está interessada em produzir o disco-solo com músicas de Lupicínio Rodrigues (compositor gaúcho morto em 1974) que ele há meses vem mostrando o desejo de gravar.

Netinho pretende manter também a rotina que iniciou há cinco anos de se apresentar semanalmente no bar Consulado da Cerveja. A única mudança de planos deverá ser o dia de show, já que as segundas, habitualmente reservadas para as apresentações, serão preenchidas pelo programa da Record - que estréia no dia 3 de março, às 22h30.

Na próxima segunda, a partir de meia-noite, ainda é possível curtir o show de Netinho no bar que fica na Rua Eduardo Espínola Filho, 70, Parada Inglesa, São Paulo (tel.: 6973.3256).

Como sempre faz, ele irá cantar sucessos do Negritude e de outros grupos de pagode, além de chamar ao palco os amigos que sempre o prestigiam na platéia: jogadores de futebol e músicos. Saber com antecedência quem irá subir no palco é impossível. As parcerias são sempre improvisadas - mantendo o espírito de jam session.

    Publicidade: