Revolução alimentar

Estadão

10 Julho 2013 | 07h04

minhoca1.jpg

(Por Aryane Cararo)

Houve um tempo em que as minhocas comiam amendoins. Verdade. A ilustradora e escritora francesa Élisa Géhin lembra bem. O resto era mais ou menos como você conhece hoje: os passarinhos comiam as minhocas e os gatos comiam os passarinhos. E ninguém comia os gatos. Naquele tempo, eu preferia ter nascido gato, porque nascer minhoca significava ser comida pelo passarinho e, depois, ir morar no estômago do gato. Isso irritava as minhocas. Eu ficaria irritada também.

Aquela era a ordem. Mas a minhoca decidiu quebrar: foi lá e comeu o gato. Ela acabou comida pelo passarinho que, a essa altura, também tinha um gato na barriga. Mas outro gato foi lá e comeu o passarinho. Assim, o gato também tinha comido um gato. Isso não podia. Sempre dá confusão. E todo mundo sabe o que acontece em casos como esse: explosão.

E, naquela confusão, não tinha mais ordem na cadeia alimentar. Todo mundo virou almoço do outro. Foi tanta bagunça que, no fim, ninguém mais queria comer ninguém. Isso foi quando entrou o amendoim de novo na história. Gato e passarinho começaram a se alimentar de amendoim e não sobrou nadinha para as minhocas. Foi a partir daí que elas tiveram de mudar seus hábitos alimentares. Pensa que elas gostaram da mudança? Nem um pouquinho. Um dia, quando você vir um passarinho comendo um gato ou um felino explodindo por aí, já sabe o que aconteceu, não é?

Essa não é uma história engraçada e incrível? As ilustrações deixam tudo ainda mais divertido. Mas, se a gente deixar o riso de lado, vai ver como se faz um levante bicho-popular. Aqueles que sempre se dão mal, acabam subvertendo a ordem. O problema é que a minhoca não se deu bem no final. Só que essa é só a história que a Élisa escreveu. E quem disse que as histórias da vida real precisam acabar sempre assim? Cada um pode construir a sua.

Minhocas Comem Amendoins. Autora: Élisa Géhin. Ed. Pequena Zahar, R$ 39,90