grandes e PEQUENOS?

carloseduardogoncalves

22 Abril 2015 | 14h52

Para minha mãe

Grandes e pequenos. Os famosos e os anônimos. Alguém mais importante, de repente? Alguém que conseguiu mais? Mais do quê, se tudo se esvai pelos dedos. Demos as mãos, como diria Dickens, ao menos algumas vezes, nós que fazemos todos a mesma viagem: do útero para o pó. Igual é a vereda.

Façamos mais, já que as diferenças são ínfimas no conjunto do todo. Na maior das dimensões, somos todos iguais. Pequeninos e importantes. Temos mais ou menos sorte, mais ou menos portas abertas à frente,  mais ou menos motivações intrínsecas, etc. Mas essas coisas duram  tão pouco… Da onde vangloriar-se ou sentir-se diminuído por isso? Olhe para o céu a noite, num dia sem nuvens, e você vai me entender. Tudo aqui embaixo vai parecer tão passageiro. E você vai entender que o caráter efêmero das nossas vidas deveria ser suficiente para nos sentirmos mais iguais no fundo do coração.

Além de tudo, Mãe, eu simplesmente venho de você.