Negócios

terça-feira, 21 de agosto de 2007, 11:32 | Online

Campanha da Talent para o novo estadao.com.br provoca debate na web

Marili Ribeiro, do Estadão

SÃO PAULO - A campanha para anunciar a nova configuração do estadao.com.br, criada pela agência de publicidade Talent - dois comerciais para televisão, um spot para rádio e três anúncios para impressos, que entraram em cartaz no dia 25 de julho -, abriu intenso debate dentro do universo da blogosfera.

  

A cada dia são criados 120 mil blogs, segundo o Technorati, um dos mais confiáveis indexadores de blogs. Há hoje em atividade 70 milhões de blogs em todo o mundo, dos quais 1,6 milhão são atualizados diariamente. Dentro dessa comunidade, o Technorati registra 1.083 textos publicados em blogs comentando a campanha do novo formato do estadao.com.br.

 

Na comunicação desenvolvida pela Talent, o que mais incomodou foi o filme comercial de 30 segundos, chamado de Blog do Bruno. A peça publicitária brinca com a idéia de um macaquinho que copia e cola informações na web, o que é considerado "genial" pelos cientistas que monitoram sua evolução no aprendizado. Alguns blogueiros se sentiram atingidos pelo comercial por interpretarem que a mensagem atacava a credibilidade da comunidade de autores e colaboradores que mantêm seus diários na internet.

 

João Livi, diretor de comunicação da Talent, não concorda com a reação à campanha do estadao.com.br, por achar que ela se apóia em um subtexto irreal, ou seja, o de que o Estadão é contra os blogs. "Isso não foi colocado em nenhuma das peças da campanha", enfatiza ele. "E seria incoerente, já que o Estadão sabe que os blogs não só fazem parte da sociedade, como do próprio Grupo Estado."

 

Os filmes , destaca ele, iniciam com uma vinheta - World Weird Web - que se refere ao "mundo dos esquisitos", deixando claro o propósito de se fazer graça com parte desse universo. Com isso, a campanha também quer mostrar que muitos blogs difundem informações fora de contexto e sem vínculo com a realidade. "Quantas vezes você blogueiro já não encontrou seu texto por aí, fora de contexto, faltando partes e sem os créditos?", questiona Livi.

 

No outro filme da campanha, chamado de Ruivo, dois jovens divulgam as vantagens de quem tem essa cor de cabelo e usa aparelho nos dentes. Lindas jovens que leram na internet sobre o tema discutem na mesa de um restaurante a possibilidade de os ruivos serem mesmo bons namorados. "Nosso posicionamento está em linha com a proposta de credibilidade, conteúdo de qualidade e compromisso do Grupo Estado", diz o diretor da Talent.

 

Segundo o Technorati, os blogs são populares porque são uma ferramenta de fácil uso que permite que milhões de pessoas publiquem e compartilhem idéias e que outros milhões respondam e comentem. Os diários virtuais criam um vínculo entre quem escreve e quem responde.

 

"O Estadão pediu e está tomando porrada", disse Julio Hungria em 15 de agosto, no site Blue Bus, um dos mais acessados no meio publicitário. "Parece mesmo inacreditável que nas bordas do século 21, a bordo do extraordinário avanço da tecnologia e do pensamento, alguém possa criar (e aprovar!) uma idéia dessas que tem a proposta de desconstruir um formato contemporâneo em suposto benefício de outro francamente na véspera de sair de cena (os jornais impressos adaptados para a internet)".

 

Rogério Christofoletti, do blog Monitorando, fez em 14 de agosto a seguinte ponderação no site Observatório da Imprensa: "Não acho que o Estadão quis ofender os blogueiros, que está com medo do avanço dos blogs ou coisa do tipo. As empresas grandes não ficam de fora do mercado, seja ele emergente ou não. No portal da Globo, da Folha, do Estadão, há blogs. Eles não ficam de fora. O que o Estadão quer é convencer o público de que oferece a informação mais confiável, de melhor qualidade, mais necessária. Talvez - num segundo momento - coloque nas ruas uma campanha em que tente convencer que os melhores blogs são os de seus colunistas e tal. Não importa o suporte, senhores! Importa que a empresa forneça o serviço, e que este aparente as melhores condições de qualidade, preço e conveniência".

 

"A Talent, agência de propaganda responsável pela campanha, tinha como missão passar uma imagem de mudança no site do jornal, que passa agora a oferecer, entre muitas outras coisas, links para blogs e blogueiros (todos do próprio jornal, diga-se de passagem)… O que ficou, no entanto, foi uma imagem retrógrada e generalista de que o conteúdo dos blogs é feito por amadores, ou por pessoas que estão pouco preocupadas com a veracidade das informações…" , escreveu em 20 de agosto, Pedro Serra no seu blog Na Media.

 

Em outros blogs, como o Global Voices Online, a campanha do estadao.com.br é identificada como tática com a finalidade de aumentar o tráfego no portal do jornal: "É óbvio que a estratégia de marketing do Estadão estava contando com o barulho que os blogueiros iriam fazer a respeito dos anúncios para alcançar os seus objetivos, e os blogueiros certamente estavam entre aqueles que induziram as pessoas a visitar o novo site do jornal. Por outro lado, alguns blogueiros acham que inflamar a discussão entre blogs e a mídia tradicional neste momento pode ser uma má idéia, enquanto outros acham melhor entrar na brincadeira."

 

Está aberto o debate.

 

 

[Participe do debate. Faça seus comentários nos campos abaixo]


Tags:  publicidade, estadao.com.br,     O que são TAGS?