15.06.2014 - 11:45

Leitor compra Charger 1975 após 18 anos

Administrador de empresas paquerava cupê desde 1995 e convenceu dono a vendê-lo

Rodrigo Samy

Cor amarela, faixas laterais e faróis se destacam - Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão
Cor amarela, faixas laterais e faróis se destacam

A história de amor entre o administrador de empresas Alan Zaitune e seu Charger R/T prova que quem persevera, alcança. Ele esperou quase duas décadas até conseguir comprar o Dodge que desejava desde 1995 quando costumava passar pela Rua Amaral Gurgel, na região central da cidade, de motoneta.

++ Siga o Jornal do Carro no Facebook
++ Fusca de 1974 tem apenas 357 km rodados

Naquela época, Zaitune não conseguia tirar os olhos do “Dodjão” amarelo, que ficava estacionado em um posto de gasolina. “Todos do bairro conheciam o carro”, afirma ele. 

Eis que, no ano passado, o administrador circulava pelas redondezas quando reencontrou o cupê parado em uma oficina mecânica, que pertence ao proprietário do carro. Zaitune não teve dúvida: entrou e fez uma proposta pelo modelo, dando início a uma longa negociação.

Ele não revela valores e conta que só conseguiu por as mãos no Dodge após fazer várias contrapropostas e se dispor a assumir inúmeras parcelas. 

Após fechar o negócio, Zaitune fez alguns pequenos ajustes no carro. Trocou as rodas antigas pelas Magnum 500, de uma linha anterior do Dodge.

E o escapamento teve de receber abafador. Como o ronco do motor era muito alto, o carro havia sido reprovado na inspeção veicular. “Tive de levá-lo mais de sete vezes ao posto de vistoria”, conta. A alteração foi feita a contragosto. “Essa é uma das marcas registradas desse modelo.”

Mesmo com essas pequenas mudanças, o Charger conquistou mais de 90% dos pontos necessários para obter as placas pretas, que estão a caminho. Essa deferência é concedida aos veículos que mantêm a maior parte das características originais de fábrica.

De acordo com seu proprietário, a cor “Amarelo Magno” é um dos destaques do Dodge. “Ela foi criada para dar a conotação esportiva a um modelo único daquela época.”

Esse apelo é evidenciado pelas faixas laterais pretas, o prolongamento da base das colunas traseiras, o teto revestido de vinil e as entradas de ar no capô. “São características exclusivas, que não faziam parte de outros carros.”

O visual do modelo, aliás, é inspirado no da versão vendida no mercado norte-americano. Na dianteira, por exemplo, tanto os faróis quanto as luzes de seta ficam “escondidos” sob a grade de filetes verticais.

Na cabine, há bancos individuais na dianteira – nos demais modelos da marca eles eram inteiriços. O volante, por sua vez, tem três raios e há conta giros no painel de instrumentos, cuja moldura é recoberta por um material que imita madeira.

Força. Sob o capô do R/T há um motor 5.2 V8, que, de acordo com informações da Dodge, gera 216 cv a 4.400 rpm. O câmbio é manual de quatro marchas com alavanca no assoalho.

Ainda conforme dados da fabricante, com esse trem de força, o cupê, que pesa cerca de 1.500 quilos, pode acelerar de 0 a 100 km/h em 12 segundos. 

Zaitune conta que sempre foi fã do Dodjão. Seu primeiro R/T, de 1976, comprado em sociedade com dois amigos, em 1986, foi furtado no ano seguinte.

Comentários

Tabela JC