13.04.2011 - 14:00

Exclusivo: andamos na Effa Plutus

Picape chinesa deve começar a ser vendida até 15 de julho por cerca de R$ 50 mil. Além de ser a primeira picape média a diesel chinesa a chegar ao Brasil, a Effa terá preço próximo ao da compacta Fiat Strada e capacidade de carga de 1.050 kg

TEXTO: MICHEL ESCANHOLA
FOTOS: SÉRGIO CASTRO/AE

A Effa Plutus parece aqueles pratos gourmet meio malucos. Quando os olhamos, torcemos o nariz. Mas ao experimentá-los, percebemos que o resultado é melhor do que o esperado. É como misturar melão com presunto, ou a frente da antiga geração da Chevrolet Avalanche em uma carroceria 10 cm maior que a da Toyota Hilux, mas com altura apenas 9 cm superior à de um Volkswagen Fox.

Sim, ela é estranha mesmo. Mas a Plutus, que deve começar a ser vendida até 15 de julho por cerca de R$ 50 mil, traz atributos. Além de ser a primeira picape média a diesel chinesa a chegar ao Brasil, a Effa terá preço próximo ao da compacta Fiat Strada e capacidade de carga de 1.050 kg (210 a mais do que uma Ford Ranger Cabine Dupla a diesel). O motor é 3.2 e a tração, 4×2.

Com 5,35 metros de comprimento, 1,72 metro de largura (são 6 cm a menos do que a Chevrolet S10) e 1,63 metro de altura, a Plutus tem porte que lembra o da “velha” Peugeot 504. Isso sem falar no chassi de Mitsubishi L200 (da antiga geração) e o interior multicolorido.

Por falar em cabine, o acabamento da unidade avaliada deixava a desejar. As costuras dos bancos e os materiais do painel demonstram fragilidade. Como a picape é baixa, o banco do motorista não tem ajuste de altura e, atrás, o assento fica a pouco mais de um palmo do assoalho. Como resultado, os passageiros do banco traseiro ficam com os joelhos bem acima da linha da cintura, o que incomoda.

A posição de guiar não é ruim, mas é difícil de encontrar. Como se não bastasse, os comandos (muitos iguais aos do Toyota Corolla antigo) estão mal alocados. O pisca-alerta, por exemplo, fica na parte inferior do painel, à esquerda do volante.

Quanto ao isolamento acústico e a vibração do motor na cabine, eles são tão bons quantos os de um trator. Aliás, é essa a sensação de dirigir a Plutus. É preciso um certo tempo para que o motorista se acostume com o câmbio curto e a trepidação intensa.

Como a proposta é carregar e não correr, a velocidade máxima é limitada em 130 km/h. Mas passar dos 100 km/h já é uma aventura. O propulsor é grande, mas o desempenho… Com 103 cv (o Gol 1.6 tem 104 cv) e 1.780 kg, a Plutus sofre para ganhar velocidade.

Mas lembre-se: são R$ 50 mil com direito a banco de couro, conjunto elétrico, ar-condicionado, direção hidráulica e rodas de liga leve. As vezes, o sabor do presunto compensa a digestão complicada do melão.

Comentários

Tabela JC

Links patrocinados
Anuncie aqui