Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Cultura
Início do conteúdo

'Abaporu', de Tarsila do Amaral, é destaque em exposição

Comprada por um argentino, tela volta ao Brasil a pedido da presidente Dilma

23 de março de 2011 | 9h 36
AE - Agência Estado

Quando o quadro "Abaporu", da artista Tarsila do Amaral (1886- 1973), foi comprado, em 1995, por US$ 1,43 milhão em leilão em Nova York pelo empresário argentino Eduardo Costantini, houve polêmica e comoção no Brasil sobre a perda de uma das obras referenciais do modernismo brasileiro. Pintada em 1928, na fase antropofágica da produção de Tarsila - a tela inspirou ainda o "Manifesto Antropófago" publicado naquele ano por Oswald de Andrade e Raul Bopp na Revista de Antropofagia -, a obra volta agora ao Brasil, para ser o destaque da exposição "Mulheres, Artistas e Brasileiras", a ser inaugurada hoje no Palácio do Planalto, em Brasília.

Tela esteve no Brasil pela última vez em 2008 - Reprodução
Reprodução
Tela esteve no Brasil pela última vez em 2008

"Abaporu", título inspirado na língua tupi e que quer dizer "homem que come gente", representa uma figura humana com pé e braço agigantados, tornando-se um símbolo da fase da artista. No mesmo período, ela criou a tela "Antropofagia" (1929), esta, pertencente à Coleção José e Paulina Nemirovsky (em São Paulo), e "Urutu" (1928), de Gilberto Chateaubriand, cedido em comodato ao MAM do Rio. O "Abaporu" fica em exposição permanente no Museu de Arte Latino-americana de Buenos Aires (Malba), inaugurado em Buenos Aires em 2001 e que apresenta o acervo do empresário.

Desde sua compra por Costantini, em 1995, a tela foi exibida no Brasil em 1998, em mostra com obras da coleção do argentino no Museu de Arte Moderna de São Paulo; em 2002, na exposição "Da Antropofagia a Brasília", na Faap; e em 2008, parte de "Tarsila Viajante", na Pinacoteca do Estado.

A mostra "Mulheres, Artistas e Brasileiras", realizada pela Faap a pedido da presidente Dilma Rousseff para celebrar o Dia Internacional da Mulher, reúne cerca de 80 obras de 49 criadoras e ficará em cartaz até 5 de maio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo