Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Cultura
Início do conteúdo

La Fura dels Baus volta comportada ao Brasil

Montagem encenada em São Paulo reúne cenas que já foram vistas na Europa

04 de dezembro de 2010 | 7h 00
Maria Eugênia de Menezes - O Estado de S.Paulo

O La Fura dels Baus que se apresenta neste sábado, 4, no Memorial da América Latina é bem diferente do grupo que esteve no Brasil em 1991, para uma intervenção na Bienal de Arte de São Paulo. O nome é o mesmo. Muitos de seus componentes permanecem no conjunto. O discurso - que apregoa a simbiose de todas as artes - também continua lá, de prontidão. Mas onde estão aqueles loucos enfurecidos que chocaram o mundo? O La Fura cresceu. E mudou. Mudou muito.

Grupo faz ensaio ao ar livre no Memorial  - Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE
Grupo faz ensaio ao ar livre no Memorial

À época em que passaram por aqui pela primeira vez, no comecinho dos anos 1990, lembra o diretor do grupo catalão, Carlos Padrissa, o La Fura estava habituado a encenações de dimensões menores. Não que fossem plateias diminutas. Não, esse nunca foi o foco desse polêmico coletivo. Mas pensava-se, então, em espetáculos para até mil espectadores. Formatos que permitissem pôr em prática a sua "linguaje furera": um modo bastante intenso e controverso de relacionar-se com o público. Para dizer o mínimo.

Tudo isso se alterou depois de 1992: quando receberam a incumbência de fazer a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Barcelona e se tornaram especialistas em megaintervenções.

É de fato um show de medidas agigantadas que São Paulo deve acompanhar. Diante de cerca de 12 mil pessoas, os espanhóis devem exibir os seus dotes acrobáticos e a grandiloquência da sua estrutura: guindastes e gruas que pesam 160 toneladas, anjos que voam por sobre as cabeças dos espectadores, uma rede humana formada por 60 pessoas, uma marionete de 8 metros de altura que caminha por entre a platéia.

Arte pop
"Não é o mesmo que Andy Warhol fez pelas sopas Campbell’s?", rebate Carlos Padrissa quando questionado sobre o título do novo espetáculo. É com naturalidade que ele vê a escolha do nome Cielo Arte - uma explícita menção ao patrocinador - para batizar a intervenção. "Se for de graça para o público, não me importa", ele argumenta, lembrando que já fizeram o mesmo com a Pepsi.

O tom da encenação deve ser contemplativo. Um passeio metafórico por céu e inferno, com textos do poeta espanhol Rafael Argullol. Tudo bem-comportado. Nada que lembre obras polêmicas, como o pornográfico XXX, de 2002. Sem sombra da radicalidade que notabilizou esses expoentes do teatro pós-dramático. "Nossa linguagem se tornou mais universal", pontua o diretor, lembrando que o grupo se aventurou por filmes e óperas nos últimos anos.


A montagem que será encenada em São Paulo reúne cenas que já foram vistas na Europa, mas tenta misturá-las de maneira inédita. Interage com os prédios projetados por Oscar Niemeyer e com a trilha sonora original assinada por Lucas e Júnior Lima. "Buscamos referências de música eletrônica e erudita, como Bach e Ravel", comenta o músico do grupo Família Lima, que também criou uma releitura bastante peculiar de Soy Loco por Ti, América para a apresentação. "Temos uma base pré-gravada, mas haverá bastante espaço para intervenções ao vivo." Entre elas, uma subida aos céus de Lucas, que deve tocar violino dependurado por um guindaste.

Os músicos não serão os únicos brasileiros a participar. A bem da verdade, os espanhóis são apenas 12. Além do estilista Fause Hauten, que faz uma participação especial, cerca de 80 nomes do elenco foram escolhidos por aqui. E ajudam a dar o colorido local ambicionado pela companhia catalã, em sua quarta passagem pelo País. "Não queremos nunca chegar como invasores. Com algo pronto. O espetáculo tem uma cara bem carioca", diz o diretor, para logo depois se corrigir. "Ah, é. Bem paulista."

La Fura Dels Baus - Memorial da América Latina. Rua Tagipuru, 282, Barra Funda, telefone 4003-1212. Hoje, às 17 h. Grátis (ingressos esgotados).




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo