Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Cultura
Início do conteúdo

Maior exposição sobre Bowie, vista por milhares em Londres, agora no MIS

Mostra explora os 50 anos de carreira do camaleão do rock

29 de janeiro de 2014 | 18h 40
Jotabê Medeiros - O Estado de S. Paulo

Atualizada em 7 de março, às 12:40

Concebida e montada pelo Victoria & Albert Museum de Londres, no ano passado, a mostra David Bowie is criou um novo paradigma em termos de “memorabilia” de pop stars. Geralmente, a noção taxidérmica de Madame Tussaud do culto à personalidade representava um túmulo para a criatividade. A mostra David Bowie, que o Museu da Imagem e do Som importou para o Brasil e apresenta a partir de sexta-feira, 31, em São Paulo, é o antimuseu de cera.





“Bowie constitui um elo entre Andy Warhol, Bertolt Brecht, William Blake, Charlie Chaplin, Antonin Artaud, Salvador Dalí, Marlene Dietrich, Philip Glass, Nietzsche, o glamour de Hollywood, o design gráfico, os sapatos plataforma, o cinema, a música, Kurt Weill, Berlim, Nova York, Londres, Alexander McQueen, os Jogos Olímpicos de Londres em 2012, Jim Henson, os pousos na Lua, Kansai Yamamoto, Kate Moss e Marshall McLuhan”, disseram os curadores da mostra, Victoria Broackes e Geoffrey Marsh.

Ou seja: aos 67 anos, 50 de carreira, David Robert Jones, o David Bowie, engendrou em seu trabalho e em sua vida a arte visual contemporânea, o teatro, a poesia, a mímica, o absurdo, a provocação, o cabaré, o minimalismo, a filosofia, a moda, as teorias da comunicação, a revolução sexual. Tem sido um dos maiores inimigos do provincianismo, com sua postura de cidadão do mundo. Mesmo seu silêncio, como o de Marcel Duchamp, foi recheado de eloquência – o período de 10 anos em que ficou sem lançar discos, até The Next Day, no ano passado, foi um período de embates e debates.

Essa abrangência de sua visão está representada na exposição, que reúne cerca de 300 itens de sua carreira: repertórios de shows (set lists), letras de músicas, manuscritos, instrumentos e desenhos, 47 figurinos de suas diferentes personas, trechos de filmes e shows ao vivo, videoclipes, fotografias.

Segundo a direção do MIS, entre os figurinos que compõem a mostra, estão peças do álbum Aladdin Sane (1973), como o macacão assimétrico feito de vinil (Tokyo Pop) assinado por Kansai Yamamoto e a bota plataforma vermelha, ambos usados na turnê do álbum em 1973; o terno azul claro usado na gravação do promo feito para Life on Mars? e um conjunto de calça e jaqueta multicoloridos, de Freddie Burretti, feito para a turnê Ziggy Stardust and The Spiders from Mars. “Com efeito, Bowie talvez seja o músico mais citado na história da moda”, disse Mark O’Flaherty, do Financial Times.

Uma das preciosidades, segundo a curadoria, é uma inédita foto promocional feita para a banda The Kon-rads, primeira formação de que ele fez parte com apenas 16 anos. Dessa banda fazia parte seu amigo George Underwood, cuja contribuição para o futuro de Bowie foi fundamental: foi ele quem o esmurrou no olho em 1961, por causa de uma garota, Carol Goldsmith, e o deixou com cada olho de uma cor.

“Ele tem uma visão dupla. Para mim, é o símbolo do grande artista. Artistas veem o mundo físico e o espiritual. São oraculares. Frequentemente, nas lendas, artistas têm um defeito físico. Homero era cego, outros eram mancos. Aquele olho deteriorado é sinal do dom especial do Bowie, a parte alucinante de sua imaginação”, disse a escritora Camille Paglia.

Outra exclusividade da mostra brasileira é uma colagem feita por Bowie a partir de stills do vídeo de The Man Who Fell to Earth. Há ainda outra imagem dele com o escritor William Burroughs, fotografados por Terry O’Neill, e colorida manualmente pelo cantor.

Mas a essência é a música, daí a viagem musical que a exposição possibilita, organizando esse mergulho na espantosa Casa de Espelhos do artista, que lançou seu primeiro single, Space Oddity, em 1969, e desde então está por trás desde as noções de glamour rock até a de rock yuppie, nos anos 1980. “A visão distópica que Bowie comunicava em 1976, com sua música, suas atuações e seus figurinos, teve imensa influência no movimento punk”, observou o jornalista Tim Blanks.

“Um vigoroso espírito inovador foi promovido, a partir de 1945, por artistas como Bowie, que canalizaram a vanguarda para o mainstream popular sem comprometer sua força subversiva e libertadora”, disseram os curadores Victoria Broackes e Geoffrey Marsh. E com a marca de um businessman bem-sucedido, curador de si mesmo que vendeu mais de 140 milhões de discos em sua trajetória.

Nascido na Stansfield Road, em Brixton, Londres, às 9 h da manhã do dia 8 de janeiro de 1947, David Bowie é um corpo estranho no mundo do pop. “A parteira me falou: essa criança já esteve na Terra antes”, revelou a mãe de Bowie, Margareth Mary Burns, em uma entrevista. Esse é o mundo original de Bowie, contra o qual ele engendrou sua primeira revolução. “Antes do disco Young Americans, de 1975, sua carreira se baseava numa profunda reação pessoal contra a Inglaterra e, especificamente, contra os valores dos subúrbios de Londres.” Depois disso, virou cidadão do planeta.

Controle terrestre para o leitor: tome suas pílulas de proteína e vá ao MIS. O camaleão merece a visita.

RARIDADES

Sintetizador
Da marca EMS Synthi AKS, foi comprado em 1974 por Brian Eno e usado na gravação de Heroes, de 1977. Eno apresentou a Bowie alguns compositores de vanguarda que trabalhavam com a noção de acaso na música, o aleatório, e o artista vinha da experiência no filme O Homem Que Caiu na Terra, de Nicolas Roeg, no qual ele interpretava um alienígena humanoide. David Bowie passaria a viver um período de aproximação com a eletrônica alemã, mas sua abordagem diferia da de Kraftwerk e Neu!. Os três discos produzidos nesse período, Low, Heroes e Lodger, são considerados o período “alemão” do músico. Ele tentava, na ocasião, livrar-se do vício em cocaína.

Cartazes
A mostra traz o cartaz da banda The Kon-Rads, que Bowie formou aos 16 anos. Apesar de precoce e da aparência rockabilly, tinha um grande apreço por jazz, adorava Jimmy Smith e Wes Montgomery e adquiriu um saxofone por influência de Gerry Mulligan, que trabalhou com Miles Davis nos anos 1940. Foi um colega de banda, George, que lhe desferiu o golpe que mudou a cor do seu olho.

DAVID BOWIE
MIS. Avenida Europa, 158, Jd. Europa, 2117-4777.
3ª a 6ª, das 12 h às 20 h (sáb., das 10 h às 21 h;
dom. e feriados, das 11 h às 20 h).
Ingressos: R$ 10 (3ª, grátis). Até 20/4.
Abertura sexta, 31, para público – www.mis-sp.org.br

DAVID BOWIE
Autores: Vários. Editora: Cosac Naify (320 págs., R$ 119,90)




Saiba mais sobre Jotabê Medeiros no Google


Tópicos: David Bowie

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo