Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Cultura
Início do conteúdo

OAB declara-se a favor das biografias não autorizadas

Entidade ingressou oficialmente no processo como parte interessada

06 de fevereiro de 2014 | 20h 12
Julio Maria - O Estado de S. Paulo

Carmen Lúcia muniu-se de informações antes de colocar o assunto em votação  - Andre Dusek
Andre Dusek
Carmen Lúcia muniu-se de informações antes de colocar o assunto em votação

O Supremo Tribunal Federal, em Brasília, aceitou o pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para entrar no processo sobre as biografias não autorizadas como parte interessada. O STF, que julga o caso, confirmou ao Estado que a ministra Carmen Lúcia, relatora do processo, fez o ingresso da entidade na quarta-feira. A OAB se alia à Anel (Associação Nacional dos Editores de Livros), que quer a derrubada de artigos que não permitem que uma biografia seja lançada no País sem a autorização do biografado ou de seus herdeiros. "É razoável que o público tenha assegurado seu direito a informar-se acerca daquela figura de admiração, até mesmo para que tenha plena consciência se aquela estima manifestada é, segundo seus próprios critérios, justificável e digna de conservação", diz o texto da OAB em seu pedido de inclusão no caso.

O presidente da entidade, Paulo Oliver, diz não acreditar que o STF vá derrubar os artigos que preveem a autorização prévia dos biografados. "Dificilmente o STF vai decretar a nulidade desses artigos, uma vez que eles só estão definindo responsabilidades." Ele afirma, contudo, que a OAB quer a liberação total das publicações, deixando que os autores sejam responsabilizados por eventuais calúnias ou difamações. "Os autores têm que se cobrir de provas, e deixar claro nos índices das obras as fontes que consultaram. Esta é a salvaguarda que eles têm." Sobre o episódio considerado o estopim da discussão, a biografia Roberto Carlos em Detalhes, que o artista pediu que fosse retirada das lojas em 2007, Oliver considerou: "Não entendo como ele fez aquilo. Todo mundo já sabia das coisas que estão no livro." O STF não tem prazo para o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin). No final do ano passado, Carmen Lúcia realizou uma audiência pública para munir-se de informações antes de colocar o assunto em votação.




Saiba mais sobre Julio Maria no Google


Tópicos: Briografias, Stf

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo