Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Cultura
Início do conteúdo

Reginaldo Rossi morre aos 69 anos

O cantor e compositor pernambucano tinha câncer de pulmão

20 de dezembro de 2013 | 11h 33
Julio Maria - O Estado de S.Paulo

Morre aos 69 anos o cantor e compositor Reginaldo Rossi. Internado desde o último dia 27 de novembro, o artista faleceu em decorrência de complicações de um câncer no pulmão. A informação foi confirmada pelo Hospital Memorial São José, em Recife.

Ficou conhecido como o 'rei do brega' - Renato Luiz Ferreira/ Estadão
Renato Luiz Ferreira/ Estadão
Ficou conhecido como o 'rei do brega'

O recifense Reginaldo Rossi queria mais era ser Roberto Carlos quando começou sua carreira artística, em 1964. Era movido a música dos Beatles da Jovem Guarda e, mesmo bem mais discretos que os cariocas que vieram a São Paulo apresentar o programa que lançaria o movimento na TV Record, acabou fazendo parte do iê-iê-iê. Seu grupo, incensado por ele mesmo como "o primeiro de rock do Nordeste", se chamava The Silver Jets. Em todos os seus quase 50 anos de carreira, gravou mais de 300 canções e, em seus tempos áureos, chegou a fazer uma média de 25 shows por mês.

Estudante de Engenharia Civil e professor de Física e Matemática, Reginaldo Rodrigues Santos Rossi tentou a carreira política em 2010, quando lançou-se como candidato a deputado estadual de Pernambuco pelo PDT. Curiosamente, o prestígio que tinha como cantor e compositor não foi transferido para as urnas e Reginaldo não teve o número mínino de votos para se eleger.





O Rei do Brega, como seria conhecido, chegou a ter fã-clubes em cidades importantes como Salvador, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Maceió, Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Manaus, além de seu maior reduto, Recife. Um de seus maiores públicos foi registrado em Salvador, quando bateu o recorde de plateia colocando 80 mil pessoas no Arraiá da Capitá, no Parque de Exposições. "A diferença entre o brega e o chique só começou a existir depois da década de 60. Quem falasse mal do regime militar era chique", dizia ele.

Seu primeiro sucesso foi O Pão, do disco homônimo, em 1964. Em 1970, voltou a fazer sucesso com a música Mon Amour, meu bem, ma femme - do disco À Procura de Você. Entre outros hits, se tornou mais conhecido por Deixa de Banca, Tô Doidão, A Raposa e as Uvas, Era Domingo, Ai, Amor e, o maior deles, Garçom.





Saiba mais sobre Julio Maria no Google

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo