Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Brasil
Início do conteúdo

Adolescente que foi preso a poste vai para abrigo no Rio

Morador acusado de agressão admitiu 'caçar vagabundo roubando para meter porrada'

05 de fevereiro de 2014 | 21h 23
Fábio Grellet e Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

RIO - O adolescente de 15 anos torturado e preso pelo pescoço a um poste do Aterro do Flamengo com uma tranca de bicicleta, na sexta-feira, estava desde o dia 25 de janeiro em um abrigo da prefeitura, no centro do Rio. Ele já conhecia a diretora da unidade e aguardou ela voltar de férias nesta quarta-feira, 5, para narrar as agressões que sofreu. Após conversar com a diretora, o adolescente prestou depoimento à Polícia Civil e será conduzido a um abrigo.

Adolescente de 15 anos foi agredido e preso a poste - Yvonne Bezerra de Mello/Divulgação
Yvonne Bezerra de Mello/Divulgação
Adolescente de 15 anos foi agredido e preso a poste

Segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, responsável pelo primeiro abrigo, o rapaz voltou para lá após fugir do Hospital Souza Aguiar, no centro, onde foi atendido após ser libertado por bombeiros do poste. O menor já foi apreendido duas vezes pela polícia por furto e agressão.

De acordo com relato do adolescente à diretora, ele e três amigos seguiam para a Praia de Copacabana, pela Avenida Rui Barbosa, na sexta-feira à noite, quando foram abordados por cerca de 30 pessoas em 15 motos. Os quatro tentaram fugir, mas ele e outro menino pararam ao ver um dos homens armados com uma pistola 9 mm e foram capturados. Segundo o relato, os dois apanharam e o amigo conseguiu fugir. O adolescente foi, então, preso ao poste. Os agressores escaparam.

Moradores do bairro viram o adolescente, avisaram a coordenadora da ONG Projeto Uerê, Yvonne Bezerra de Mello, e ela chamou os bombeiros. Yvonne prestou depoimento sobre o caso e afirmou estar sendo ameaçada de morte e ofendida em redes sociais, chamada de "protetora de bandido". "Fiz um ato solidário a um desconhecido, e agora a cidade está contra mim. Estou de saco cheio dessa sociedade", desabafou a coordenadora, ao chegar à delegacia.

'Justiceiros'. O morador do Flamengo, de 22 anos, que admitiu em depoimento "patrulhar o Aterro em busca de autores de delitos", publicou no Twitter, em 9 de janeiro, o "novo esporte" que tinha começado a praticar com os amigos: "caçar vagabundo roubando para meter a porrada". Na rede social, Lucas Correia Pinto Felício afirmou que estava com "vontade de comprar uma arma e dar tic tac nesses vagabundos todos".

Em seu perfil no Twitter, Felício também publicou a seguinte mensagem: "Vou caçar mais de um milhão de vagabundo (sic) por aí, eu só quero bater em você e quando acordar vou te matar rs". Nenhum dos 220 seguidores de Felício comentou ou replicou as postagens. A última mensagem do perfil é de 14 de janeiro. Ele é um dos dois detidos na segunda sob acusação de tentar agredir dois jovens. Em depoimento à polícia, os detidos confirmaram ter marcado um encontro pelo Facebook para fazer a "patrulha". Procurado pela reportagem, ele não foi localizado.

O caso dos chamados "justiceiros" veio à tona com a divulgação da foto do adolescente de 15 anos que foi espancado e preso sem roupa pelo pescoço, com uma tranca de bicicleta, a um poste da Avenida Rui Barbosa, no Flamengo. A polícia ainda investiga se há relação entre os dois casos.

No Facebook, quase 700 pessoas aderiram em apenas um dia à página que pede a abertura de um inquérito para identificação de todos os integrantes do grupo. Os criadores classificam o "suposto ato de justiça" do grupo como "reação bárbara de humilhação extrema (que) entra em choque com qualquer princípio básico de humanidade". "Não há dúvidas que essa reação de extrema violência contra a integridade moral deste indivíduo foi igualmente criminosa ao suposto assalto. Acredito que pessoas do bairro, vítimas dos assaltantes ou parentes das vítimas tenham se cansado desse problema crônico e tentaram solucioná-lo. O resultado foi desumano", afirmou João Pedro Orvelin Soares.

O internauta João Batista Heringer Soares defendeu a ação dos jovens. "Já que o Estado é omisso, e aí o recorde de assaltos (para comprovar), o povo tem que reagir. Quem tiver pena de bandido que adote um."

Integrantes do grupo acusam os membros das páginas "Reage Flamengo! Queremos nosso bairro de volta", cuja imagem é a de um homem armado, e "Bairro do Flamengo", com mais de 2 mil participantes, de apoiarem os "justiceiros". As páginas, que eram abertas ao público, foram fechadas na segunda-feira e só podem ser acessadas pelos membros.





Tópicos: Justiceiros, Rio, Agressão

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

As obras inacabadas da Transnordestina

  • As obras inacabadas da Transnordestina
  • Belo Horizonte na Copa
  • 700 famílias temem ficar sem teto em ocupação de Osasco



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo