Nelson Antoine/Foto Arena
Nelson Antoine/Foto Arena

Ciclista que perdeu braço após ser atropelado é obrigado a sair de audiência

Réu se sentiu 'coagido' com a presença do estudante David Santos Souza

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2014 | 18h05

SÃO PAULO - O ciclista que perdeu um braço em um atropelamento na Avenida Paulista em março do ano passado foi obrigado a sair do julgamento do acusado de tê-lo agredido porque o réu se sentiu "coagido" com a sua presença. A audiência ocorreu na tarde desta quarta-feira, 26, no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste.

O estudante David Santos Souza não pôde assistir ao depoimento de cinco testemunhas defesa: um policial, uma psicóloga, um vizinho, o pai e o amigo do acusado. Alex Kozloff Siwek responde por lesão corporal e não por tentativa de homicídio, após o Tribunal de Justiça de São Paulo ter decidido que ele não deve ir a júri popular.

Segundo a denúncia, o braço do ciclista ficou preso no carro de Siwek, que fugiu sem prestar socorro e jogou a parte amputada do corpo da vítima em um rio. A defesa do réu pediu para que sejam ouvidos mais dois PMs como testemunhas e, por isso, o interrogatório de Siwek foi adiado para o dia 2 de abril.

Santos compareceu ao julgamento pois queria ouvir do réu explicações sobre o crime. "Eu vim com intuito de ver a versão dele. Queria saber o que aconteceu com ele para ter feito aquilo." O ciclista recebe benefício do INSS e estuda em uma escola técnica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.