Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Brasil
Início do conteúdo

Falha pode ter causado içamento involuntário da caçamba de caminhão

Delegado do caso, Fábio Asty, destacou que a ocorrência foi agravada pela negligência do motorista que falava ao telefone, trafegava acima da velocidade e em horário proibido

30 de janeiro de 2014 | 19h 21
Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

RIO - Quatro testemunhas do caso do caminhão que atingiu uma passarela na Linha Amarela, no Rio, prestaram depoimento por mais de cinco horas na tarde desta quinta-feira, 30, na 44º DP (Inhaúma). Para o delegado responsável pelo caso, Fábio Asty, há indicação de que uma falha mecânica provocou o içamento involuntário da caçamba. O acidente provocou a morte de cinco pessoas na quarta-feira, 28.

O delegado destacou que a ocorrência foi agravada pela negligência do motorista que falava ao telefone, trafegava acima da velocidade e em horário proibido para caminhões. Somente o laudo pericial, que ficará pronto em 10 dias, comprovará as causas do acidente.

O gerente operacional da empresa Arco da Aliança, o chefe da mecânica e dois motoristas - um que dirigiu o caminhão um dia antes de Luiz Fernando da Costa e o outro que falava com ele no telefone na hora do acidente - falaram com o delegado titular Jader Machado Amaral e Fábio Asty.

Os policiais investigam se o reparo na caixa de marcha acoplada ao acionamento hidráulico da caçamba, feito no fim de semana, pode ter provocado o acionamento involuntário da caçamba. "De acordo com os motoristas, o içamento voluntário da caçamba teria desestabilizado o caminhão ou provocaria um dano grave que o obrigaria a parar", explicou o delegado.

Asty acrescentou que o caminhão tinha sido usado no dia anterior por outro motorista, a caçamba foi acionada três vezes e não houve problema. "Pelos depoimentos, é possível que o reparo tenha provocado o problema, que só apareceu depois, mas só o laudo nos dará certeza".

Em depoimento prestado ao delegado Asty, Costa afirmou que dirigia a 85 km/h em uma pista de 80 km/h e falava ao telefone no momento da colisão. Ele será acusado por cinco homicídios culposos (quando não há intenção de matar) e três lesões corporais culposas.

Indenização. De acordo com o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), pelo Código Civil Brasileiro, os familiares das vítimas podem entrar com ação indenizatória contra a Prefeitura do Rio por falta de fiscalização, além da concessionária Lamsa e da empresa Arco da Aliança.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Protesto pede autonomia para o IBGE

  • Protesto pede autonomia para o IBGE
  • Devo ou não contratar a garantia estendida?
  • Todas as informações sobre o produto têm de ser claras



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo