Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Brasil
Início do conteúdo

Moradores de favela na Mangueira voltam a enfrentar a PM

Grupo que protesta contra demolição de casas jogou entulho em linha do metrô, prejudicando circulação dos trens

09 de janeiro de 2014 | 9h 32
Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

Protestos na Mangueira começaram no fim de semana - Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão
Protestos na Mangueira começaram no fim de semana

RIO - Moradores da Favela do Metrô, na Mangueira, zona norte do Rio, voltaram a enfrentar agentes do 4º Batalhão de Polícia Militar (São Cristóvão) na noite de quarta-feira, 8. O Batalhão de Choque da PM foi chamado para conter a confusão e permanece no local para garantir a segurança. Na manhã desta quinta-feira, 9, os moradores jogaram entulho na Linha 2 do metrô, prejudicando a circulação na via. A prefeitura quer construir um polo de autopeças no local. 

Por volta das 21 horas de quarta-feira, aproximadamente 50 pessoas tentaram fechar a Avenida Radial Oeste, sentido Méier, com barricadas de fogo, mas foram impedidas por policiais do Batalhão de Choque. Os PMs usaram bombas de efeito moral e deram tiros de borracha. Disparos de fuzil também foram ouvidos ao longo do conflito que durou mais de quatro horas. Motoristas, moradores da região e alunos e funcionários da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que fica perto da favela, tiveram que se proteger dos tiros. 

A concessionária MetrôRio informou que por volta das 8 horas desta quinta-feira, moradores da Favela do Metrô jogaram entulho entre as estações Triagem e São Cristóvão, na Linha 2. A energia foi cortada, por segurança, mas já voltou ao normal. Os intervalos entre as composições ainda está irregular.

Desde terça-feira, 7, moradores da Favela do Metrô protestam contra a demolição de casas pela prefeitura. As moradias ficaram vazias depois que moradores foram levados para unidades do programa Minha Casa, Minha Vida, em 2011. Mas, como não foram logo demolidas, acabaram ocupadas por outras famílias, que vivem às margens da linha do trem. Moradores reclamam que não foram avisados sobre a ação e que não conseguiram tirar os pertences das residências.

Os protestos na Mangueira começaram no fim de semana, quando moradores colocaram fogo em um ônibus contra a morte de Wellington Sabino Vieira, de 20 anos, morto no sábado, 4.






Tópicos: Rio de Janeiro,

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Protesto pede autonomia para o IBGE

  • Protesto pede autonomia para o IBGE
  • Devo ou não contratar a garantia estendida?
  • Todas as informações sobre o produto têm de ser claras



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo