Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > São Paulo
Início do conteúdo

MP quer definir limites para os ‘rolezinhos’ de SP

Uma das propostas é determinar número de participantes dos encontros para não comprometer a capacidade dos shoppings

17 de janeiro de 2014 | 22h 35
Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo

O Ministério Público de São Paulo tenta estabelecer um meio termo entre jovens participantes de "rolezinhos" e os shopping centers. A proposta é colocar um limite para os eventos, marcados pelas redes sociais. Os promotores pretendem marcar uma reunião com os jovens e apurar a capacidade máxima dos centros comerciais, para determinar o limite de participantes e quando os shoppings podem fechar as portas, sem discriminação.

Shoppings fecharam as portas temendo tumulto na quinta-feira, 17 - Laura Maia de Castro/Estadão
Laura Maia de Castro/Estadão
Shoppings fecharam as portas temendo tumulto na quinta-feira, 17

Nesta sexta-feira, 17, promotores da área da Infância e Juventude, Consumidor, Criminal e Urbanismo anunciaram reuniões com os dois lados do conflito. "Estamos diante de algo desconhecido", diz a promotora da Infância e Juventude Luciana Bérgamo. O MP reconhece que não há uma liderança específica no movimento e chamará os jovens ao diálogo na próxima semana para lembrar que o direito de ir e vir é garantido a eles, mas sem algazarra.

"Não há uma lista (de jovens para serem chamados)", diz o promotor Maurício Ribeiro Lopes, de Urbanismo, que pretende assistir a um desses encontro no final de semana com os filhos para compreender melhor o fenômeno.

Para os promotores, os shopping têm o direito, por questão de segurança, a fechar o estabelecimento quando há pessoas além da sua capacidade. O MPE deverá notificar o Corpo de Bombeiros e a Prefeitura de São Paulo para obter o limite de entrada nesses locais. Mas, o grupo de promotores entende que, em caso de encerramento, isso deverá valer para todos os frequentadores, sob pena de ficar caracterizada discriminação.

"O que o Shopping JK Iguatemi fez (no sábado passado, barrando jovens) acaba colocando mais fogo na discussão", diz a promotora Luciana. Um inquérito civil foi aberto para determinar se houve abuso por parte dos shoppings segregando pessoas.

Já o veto aos ‘rolezões’ marcados anteontem na zona sul pelos sem-teto foi correto, segundo os promotores. O MPE diz que os "rolezinhos" são uma atividade sem pauta de reivindicação, que serve apenas para diversão dos participantes.





Tópicos: Rolezinho, São Paulo

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Protesto pede autonomia para o IBGE

  • Protesto pede autonomia para o IBGE
  • Devo ou não contratar a garantia estendida?
  • Todas as informações sobre o produto têm de ser claras



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo