Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > São Paulo
Início do conteúdo

'Temos de evitar alguma romantização nesse movimento’

Para antropóloga, ação da polícia e liminares dos shoppings potencializaram os 'rolezinhos'

18 de janeiro de 2014 | 17h 55
Laura Maia de Castro - O Estado de S. Paulo

Rosana Pinheiro-Machado, professora de Antropologia do Desenvolvimento na Universidade de Oxford, estuda a relação entre os jovens da periferia e os shoppings desde 2009 e acredita que a reação da Polícia Militar aos chamados "rolezinhos" e a concessão de liminares aos centros comerciais potencializaram um movimento que já existe há mais de uma década, mas que tem se transformado em um fenômeno.

Segundo a professora, o rolezinho é um movimento de periferia que vem 'de cima para baixo'. - Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Segundo a professora, o rolezinho é um movimento de periferia que vem 'de cima para baixo'.

Como você define o rolezinho?

Na origem, é um movimento juvenil de adolescentes de 15 a 18 anos, que há mais de uma década se reúnem em grupo para dar um rolê no shopping. É um movimento da periferia, no qual os jovens se vestem bem, se apropriam de marcas globais e de símbolos da sociedade capitalista.

Por que tanta adesão desde dezembro?

É difícil definir qual foi o "turning point", o porquê. Eu acredito que houve influência dos movimentos de junho do ano passado e desse momento da sociedade brasileira, mas não sei em que grau. O fato é que a gente está vivendo em uma sociedade que tem protestado muito mais. Dá uma nova dimensão, com as redes sociais.

Mas já tinha cunho político?

Não importa o tamanho da intencionalidade, mas o ato é sempre político, porque tem a questão do direito à cidade, o direito de ir e vir e estar bonito. Bonito, no sentido de estar nos padrões da sociedade. Mas a politização muda após a repercussão na mídia. Os jovens do Brasil estão vendo essa repercussão do preconceito e, embora eles sempre tenham sentido na pele, isso torna o movimento mais político.

A reação da PM potencializou?

Potencializou muito porque faz com que as pessoas tenham noção do que está acontecendo, do tamanho e da dimensão do preconceito.

E as liminares?

Sim, porque se você proíbe e mostra um sistema de apartheid as pessoas vão reagir. Rolezinho original não era um movimento social contra o racismo, era um movimento de meninos jovens que queriam se divertir. Mas a questão do racismo está em todas as entrevistas que realizamos (em conjunto com a pesquisadora Lucia Scalco), porque esses jovens diziam "A gente vai se arrumar senão somos vistos como pretos bandidos".

O que você acha da apropriação dos rolezinhos pelos movimentos sociais?

Incrível. O rolezinho é um movimento de periferia que vem "de baixo para cima". Mas temos de evitar alguma romantização: esses jovens estavam querendo se divertir, mas tiveram esse direito barrado. Isso gerou uma revolta dos movimentos sociais e dos intelectuais. Dependendo de como a polícia reagir, vai se ampliar.

E como reage a sociedade?

Os principais comentários contra são "Por que essa bandidagem não vai trabalhar?". Se você pensa em um adolescente da elite, você vai pensar ele em um shopping, em uma festa, e não mandando capinar. É muito cruel essa ideia. Mas há muito apoio também. O rolezinho é um dos movimentos mais importante dos últimos tempos no Brasil, porque dividiu a sociedade brasileira. Ou se apoia a meninada ou odeia o rolezinho e chama de bandidagem.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Protesto pede autonomia para o IBGE

  • Protesto pede autonomia para o IBGE
  • Devo ou não contratar a garantia estendida?
  • Todas as informações sobre o produto têm de ser claras



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo