Shows e ícones britânicos marcam abertura dos Jogos

Os Jogos Olímpicos de Londres foram abertos oficialmente nesta sexta-feira com grande participação das 80 mil pessoas presentes no Estádio Olímpico, numerosas referências à cultura britânica e shows de Paul McCartney e Arctic Monkeys, em 3h45min de duração. O evento culminou com a participação de sete jovens atletas britânicos, responsáveis por acender a pira olímpica, que marcou o início da terceira olimpíada a ser sediada na capital inglesa - as outras aconteceram em 1908 e 1948.

AE, Agência Estado

27 Julho 2012 | 20h55

Como antecipado pelos organizadores, a cerimônia foi marcada pela interação com o público. Os espectadores se cobriram com panos de diferentes cores nas arquibancadas, em diversos momentos do evento, entre painéis de LED, que contribuíram para a iluminação do estádio. Na parte final do espetáculo, atores dançaram em meio ao público.

A empolgação do público presente nas arquibancadas chegou ao auge durante as apresentações de Paul McCartney, que cantou "Hey Jude", e Arctic Monkeys, com uma versão de "Come Together" (também dos Beatles), sob uma chuva de fogos de artifício sobre o centro do gramado e intensa iluminação na cobertura do estádio.

Depois das apresentações musicais, Sebastian Coe, presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Londres, e Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional, discursaram diante do público, atletas e mais de 100 chefes de estado presentes no evento.

Os discursos foram seguidos da declaração da Rainha Elizabeth II, que abriu oficialmente os Jogos de Londres. Foi a segunda vez que ela abriu uma Olimpíada durante seu reinado - por ser chefe de estado da Commonwealth, inaugurara os Jogos de Montreal, no Canadá, em 1976.

A bandeira olímpica, então, adentrou o palco principal, carregada por oito pessoas, incluindo a ex-senadora Marina Silva. O ex-boxeador Muhammad Ali, que acendera a pira olímpica nos Jogos de Atlanta/1996, teve participação simbólica. Em seguida, houve os juramentos dos atletas, juízes e técnicos, novidade implementada nesta edição dos Jogos.

Motivo de maior expectativa, a pira olímpica decepcionou quem apostava em um ilustre britânico como responsável pelo seu acionamento. Após a chegada de David Beckham, pelo Rio Tâmisa, sete jovens atletas britânicos assumiram a responsabilidade de carregar a tocha pelo estádio até acionarem, de forma inesperada, a pira, que assumiu a forma de uma gigante flor flamejante, no centro do gramado.

A pira e os shows foram precedidos pelo desfile das delegações. Entre os ilustres porta-bandeiras, se destacaram a tenista russa Maria Sharapova, o velocista jamaicano Usain Bolt, o ala-pivô espanhol Pau Gasol, substituto do tenista Rafael Nadal, e a corredora sul-africana Caster Semenya.

Aplaudida de pé pela presidente Dilma Rousseff, presente no estádio, a delegação brasileira foi liderada pelo cavaleiro Rodrigo Pessoa. O porta-bandeira esteve à frente de 120 componentes, entre esportistas e 32 dirigentes. O desfile contou com atletas do atletismo, basquete, boxe, ciclismo, esgrima, hipismo, levantamento de peso, remo, saltos ornamentais, tênis, tiro esportivo, vôlei masculino e vôlei de praia. Integrantes das outras modalidades optaram por descansar.

ESPETÁCULO - Antes do acendimento da pira e do desfile das delegações, a cerimônia contou com espetáculo dirigido por Danny Boyle, premiado diretor do filme "Quem Quer Ser um Milionário?". Inspirado na peça "A Tempestade", de William Shakespeare, o diretor contou de forma breve parte da história britânica, passando pela Idade Média, Revolução Industrial e transformações culturais a partir da Segunda Guerra Mundial.

A apresentação teve início inesperado. Trinta minutos antes do horário previsto, dezenas de atores já encenavam em uma fazenda montada no centro do gramado. O cenário, convincente, contou com cerca de 120 animais, que deram maior verossimilhança ao espetáculo.

A cerimônia começou de fato quando o telão começou a exibir imagens reais da área rural britânica, simbolizando o passado distante. Aos poucos, imagens aéreas atravessaram Londres, citando referências culturais locais, avançando no tempo até chegar ao Estádio Olímpico.

Em um palco montado ao lado da fazendo fictícia, o ciclista Bradley Wiggins, primeiro britânico a vencer a Volta da França, no domingo passado, tocou um grande sino que marcou o início da celebração. Um coral infantil deu sequência à cerimônia com músicas típicas, enquanto atores representavam no gramado, imitando jogos de críquete e futebol.

Rapidamente, a fazenda foi substituída por um cenário caótico que relembrou a Revolução Industrial e os problemas urbanos vividos a partir do século XVIII. Entre altas torres industriais erguidas no meio do gramado, os "operários" ingleses forjaram "a ferro e fogo" os cinco arcos olímpicos, alçados e reunidos a alguns metros do chão, projetando bela cascata de fogos sobre o centro do estádio.

Com os arcos montados, o espetáculo foi interrompido para a exibição de um rápido filme que introduziu a entrada da Rainha Elizabeth II. O trecho exibido no telão teve ares cinematográficos ao simular um salto da Rainha e do ator Daniel Craig, responsável por interpretar o agente James Bond nos últimos filmes da série 007, de um helicóptero, que realmente sobrevoou o estádio.

Após a chegada de Elizabeth II, que se juntou aos príncipes Charles e William e à Princesa Kate, um coral infantil interpretou o Hino da Grã-Bretanha, acompanhado do hasteamento da bandeira nacional. Nova encenação, então, retratou o universo infantil.

Centenas de crianças em pequenas camas encheram o palco para simbolizar o medo diante dos vilões da literatura britânica. Elas tiveram o "sono" embalado pela escritora J.K. Rowling, aclamada autora da série Harry Potter, que fez breve leitura diante do público. Outro ícone britânico, a personagem Mary Poppins, considerada "a babá mais querida da Inglaterra", também foi mencionada.

Na sequência, a cerimônia contou com uma breve apresentação de humor liderada por Mr. Bean, interpretado pelo ator Rowan Atkinson. O personagem levou o público às risadas ao protagonizar trapalhadas diante de um teclado, na tentativa de acompanhar a Orquestra Sinfônica de Londres. A performance de Atkinson serviu para homenagear o cinema inglês, citado em pequeno trecho de "Carruagens de Fogo", filme sobre a temática olímpica.

Do cinema, a cerimônia passou à música, com seguidas referências aos hábitos culturais britânicos. Sex Pistols, Queen, Rolling Stones, Beatles, David Bowie embalaram o trecho da cerimônia, com cenas de clipes em um grande telão erguido no meio do gramado. A trilha sonora avançava na linha do tempo servindo de pano de fundo para encenação que mostrava a evolução da comunicação, até os telefones celulares e as redes sociais virtuais.

Ao fim da "festa" que tomara conta do palco, após participação do rapper Dizzie Rascal, o físico britânico Sir Timothy Berners-Lee, criador da World Wide Web, surgiu sozinho em frente à tela de um computador e foi ovacionado pelo público.

Os organizadores também homenagearam as vítimas do atentado que aconteceu um dia depois da escolha de Londres como sede dos Jogos, em julho de 2005 - na ocasião, o ataque ao metrô londrino causou a morte de 56 pessoas. A escocesa Emeli Sande cantou a música "Abide With Me", considerada um hino do esporte local, diante da comoção do público. As homenagens foram seguidas pelo desfile das delegações e pelos shows de encerramento.

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada cerimônia de abertura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.