1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

27 Janeiro 2014 | 09h 24

Os rodoviários de Porto Alegre entraram em greve na manhã desta segunda-feira, 27, para exigir melhorias salariais e nas condições de trabalho. Por volta das 08h30, segundo a prefeitura da cidade, circulavam nas principais vias 415 veículos para atender ao transporte coletivo.

Conforme determinação do Ministério Público do Trabalho (MPT), 30% da frota terá que operar normalmente durante todo o dia. De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), responsável pelos coletivos da capital gaúcha, seriam necessários 1.453 ônibus em uma segunda-feira normal para atender à demanda da população.

Os trabalhadores pedem reajuste de 14% nos salários e aumento de R$ 4 reais no vale alimentação, além de uma jornada segurada de 36 horas e a manutenção do plano de saúde sem custos adicionais.

"Vamos lutar até o fim. Queremos os nossos direitos e vamos atrás disso", declarou o presidente Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre, Julio Gamaliel Pires. A paralisação foi decidida por unanimidade neste sábado, 25, em assembleia com cerca de 600 rodoviários.

Para minimizar os impactos da greve, a EPTC disponibilizou 250 agentes de trânsito para atuar nas principais vias e garagens das empresas de ônibus. O atendimento das linhas de lotação foi ampliado, com a permissão para que passageiros sejam transportados em pé. Os tempos dos semáforos também foram alterados nos principais eixos para dar uma maior agilidade ao transporte coletivo.

"Respeitamos o direito dos trabalhadores à greve, dentro da discussão salarial com seus empregadores. Mas nosso dever é garantir a manutenção de um serviço essencial à população como o transporte coletivo", afirmou o prefeito em exercício, Sebastião Melo.

  • Tags: