A boa carne portenha? Agora, é preciso procurar

Uma notícia pouco entusiasmante: a carne argentina já não é mais aquela. Já se foi o tempo em que, para comer bem, bastava pedir um bife de chorizo em qualquer lugar. Agora, é preciso escolher (e bem) onde comer. Porém, alguns endereços continuam imperdíveis, o que pude constatar numa viagem recente a Buenos Aires. Sem contar que os bares e cafés, estes sim, conservam, felizmente, o charme de sempre. Aqui, um pequeno roteiro para carnes portenhas à prova de sustos. CABAÑA LAS LILAS A Cabaña Las Lilas, do grupo Rubaiyat, continua ótima. Um lugar caro, com carne excelente e carta de vinhos espetacular que divide os rótulos por categorias. Quem ficar confuso diante de tantas marcas pode pedir a ajuda dos sommeliers da casa, os competentes Celestino e Germain. Compensa esperar um pouco mais por uma mesa no terraço e jantar de frente para o rio. Lá, comi o melhor bife de chorizo e o melhor ojo de bife de Buenos Aires. A costela de tira é preciosa, não tão macia, mas cheia de sabor - um corte especial providenciado pelo matre Matias. LA BRIGADA Outra indicação segura na zona de San Telmo. A casa é pequena, com serviço simpático e bons vinhos. Comi uma costela como se deve. Na Argentina, o asado especial é uma costela cortada fininha, como um bife, e feita rapidamente. Aqui, o assado de tira ''especial'' lembra costelas feitas no Rio Grande do Sul: uma tira espessa, com o osso de uns seis ou sete centímetros de largura. Carne meio rija, meio rosada, porém espetacular. O bife de chorizo também é bastante bom. Recomendo. LA ESTANCIA No ''centrão'' de Buenos Aires, ainda tem um charme todo especial com os assados à la cruz na vitrine. As costelas, cabritos e leitões são assados em armações de metal, com o fogo no chão. Os pequenos animais são assados à la cruz, com as paletas e pernis. Algumas vezes, a costela vem meio esturricada (especifique o ponto aos garçons). Cardápio excelente e bons vinhos.

Saul Galvão, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2008 | 03h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.