A tecnologia dos ventos pode garantir medalha

Único brasileiro que pode ser tricampeão olímpico, Robert Scheidt se mune de tecnologia para enfrentar a natureza

Heleni Felippe,

11 Agosto 2008 | 00h00

O velejador Robert Scheidt já perdeu a noção de quanto a tecnologia o cerca. Convidado para falar ao Link, diz que nada é digital na sua vida. Mas a conversa avança e ele percebe ser um dependente da internet, do relógio especial para medir a profundidade da água, da roupa de borracha que usa como uniforme, do barco hi-tech com finas regulagens de mastro e velas, das conferências virtuais que faz com a imprensa brasileira quando está fora do País. Sem saber, Robert Scheidt é pura tecnologia. Aos 35 anos, e ao lado do proeiro Bruno Prada, 37, o velejador disputa os Jogos Olímpicos de Pequim, na classe Star, a partir de sexta-feira até o dia 21, em Qingdao, cidade portuária que vai receber as competições de vela na China. O barco que veleja é só tecnologia – comparado mesmo a um carro de Fórmula 1 (veja texto ao lado) – e "correr" regatas exige informações. Na internet, Scheidt tem até um guru dos ventos (www.windguru.com), site especializado em previsões meteorológicas, endereço bem popular entre os velejadores de todo o mundo, garante o brasileiro. O site é um serviço especializado em previsões meteorológicas orientado para amantes de windsurf, kitesurf, entre outros. Setinhas indicam a direção dos ventos, numa tabela que parece complexa, mas que os velejadores não têm o menor problema para ler. Há também informações sobre ondas e clima, compreendidas por quem está acostumado a sentir o vento e a depender dele. "É um site da Polônia. Eles dão, hora a hora, o comportamento dos ventos na maioria dos lugares do mundo. Quanto mais perto da competição eu acessar o site, mais segura será a informação." O movimento dos ventos, reforça Scheidt, é fundamental na definição de vários parâmetros, a começar pela regulagem das velas. Também ajuda na escolha do percurso, na raia. Scheidt e Prada também são consumidores de informações no site da sua classe: www.starclass.org, onde estão os calendários das regatas, regras, resultados, ranking, entre outras informações técnicas necessárias. Não é viciado em games, não ‘bloga’, mas não se desgruda do laptop, comprado nos Estados Unidos e escolhido por ter uma boa memória, ser rápido ao processar as informações, e também pelo preço. Fala com a família por meio do Skype. Também com os amigos e patrocinadores. "Preciso dar feed backs de como está a campanha. Eu tento passar informações sobre o que está rolando." Nas viagens, o laptop torna-se ainda mais útil. "Para contatos. Tenho obrigações comerciais." Quando está em casa, em São Paulo, usa a rede a cabo, mas adota o wireless em Ilhabela, seu refúgio de treino, ou em viagens pelo exterior. Também usa o laptop para ouvir música, além do iPod, mas não é ele quem carrega as músicas: deixa para a sobrinha, de 16 anos. "Ela domina essa linguagem e conhece os meus gostos." Não se considera "um fissurado" em tecnologia, mas não resiste às novidades. Acabou de ganhar uma filmadora para registrar a Olimpíada, que desvendou na longa viagem até a China. "Ninguém tem paciência com manual, mas, como o vôo foi muito longo, deu tempo." A câmera vai para as mãos do técnico Walter Böddener, a quem passou as descobertas feitas enquanto voava para Qingdao. "É o Bodener que geralmente faz as imagens e manda pela internet." Scheidt também não se desgruda do celular, mas observa que só usa para falar. "Não ouço música nem fotografo. Não tenho o hábito de ficar armazenando dados, mas preciso dele para me comunicar." O velejador também tem um site próprio, www.robetscheidt.com.br, mas que depende da irmã Carla para ser mantido. "Sou bem prático, não gosto de ficar perdendo muito tempo na frente de computador." Mesmo assim, no final da entrevista, Scheidt se convence de que sua vida tem muito de digital, mas incorporado à rotina, a ponto de não perceber. "Acho que o computador aproxima as pessoas, principalmente quem vive pelo mundo e tem saudades das pessoas que ficam."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.