Abismo fiscal assusta consumidores dos EUA no fim do ano

Temores sobre iminentes altas de impostos e cortes de gastos do governo estão exercendo peso sobre os consumidores norte-americanos e podem privar varejistas de uma conclusão forte para a temporada de festas de fim de ano de 2012.

DHANYA SKARIACHAN E PHIL WAHBA, Reuters

22 Dezembro 2012 | 16h00

O lento debate em Washington sobre como evitar o chamado "abismo fiscal" derrubou a confiança de consumidores enquanto eles se dirigiam a shoppings no último sábado antes do Natal -- tipicamente um dos dias mais ativos comercialmente no ano.

Negociações para evitar o abismo fiscal entraram em um impasse na quinta-feira, quando deputados republicanos rejeitaram a proposta do presidente da Câmara, John Boehner, que tinha o objetivo de conquistar concessões do presidente Barack Obama.

"Eu não acho que conseguiremos uma grande recuperação nesses últimos dias", disse o líder de prática de varejo da consultoria Marcum LLP, Ron Friedman, explicando como a incerteza relacionada ao "abismo" está influenciando as mentes norte-americanas.

Cerca de 17 por cento dos 1.514 norte-americanos que participaram de uma pesquisa Reuters/Ipsos conduzida em 17 a 20 de dezembro afirmaram que o iminente "abismo fiscal" está fazendo com que eles gastem menos nessa temporada.

"Nós só tentamos permanecer dentro de um orçamento. Não estamos enlouquecendo", disse o pesquisador de mercado da Nielsen Tom Chowinski, que estava realizando compras com sua esposa para seus quatro filhos na manhã deste sábado em uma loja do Wal-Mart em Westbury, Nova York.

Mais conteúdo sobre:
CONSUMO ABISMOFISCAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.