1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Ação do Exército na Maré vai até julho, diz Celso Amorim

FABIO GRELLET E LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

05 Abril 2014 | 13h 09

Ministro afirmou que a operação está ligada ao esquema de segurança da Copa do Mundo

RIO - O ministro da Defesa, Celso Amorim, informou que a atuação das Forças Armadas no Complexo da Maré, no Rio, vai até julho e estará ligada ao esquema de segurança da Copa do Mundo. "Esperamos que, até lá, a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) tenha condições de estar instalada. Queria sublinhar que isso está ocorrendo concomitantemente com a preparação para a Copa", disse. A ocupação ocorreu na manhã deste sábado, 5.

 

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), recentemente empossado com a renúncia de Sérgio Cabral, anunciou um projeto educacional para a Maré, descrito como "uma cidade da educação", com escolas profissionalizantes, do ensino médio e um centro de orientação vocacional. Segundo Pezão, o projeto já têm terrenos e as obras estão para começar.

 

Por enquanto não ocorreram confrontos nem há registro de presos, e a única novidade é que moradores se aglomeram perto dos tanques militares para fotografá-los. "Arma a gente já viu muitas, é comum, mas tanque de guerra eu não conhecia", afirmou uma moradora que se identificou apenas como Maria do Carmo, de 47 anos.

 

Desde as primeiras horas deste sábado, os militares se deslocaram de seus grupamentos para as imediações do complexo, que tem 10 km² de área e 130 mil habitantes e está ocupado pela Polícia Militar desde o último domingo. Hoje a área será tomada por 2.500 homens das Forças Armadas - 2.050 membros da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército e 450 fuzileiros navais da Marinha. Eles serão auxiliados por 200 policiais militares. 

 

Na véspera da ocupação do Complexo da Maré, a Polícia Federal apreendeu na sexta-feira, 4, armas, munição e drogas transportadas em um caminhão frigorífico, na Rodovia Presidente Dutra, altura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Investigação da PF indica que o carregamento, que saiu do Paraná, seria distribuído em favelas que já têm Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), como Jacarezinho, Manguinhos e Rocinha.

 

A intenção era reforçar o poderio dos grupos responsáveis por ataques recentes a UPPs e que resistem à pacificação da Maré. Na operação, foi preso o traficante Illan Nogueira de Sales, o Capoeira. Foram apreendidos seis fuzis, 38 pistolas, munições, carregadores e sete kits de rajada de pistola Glock, que aumentam o poder de fogo da arma. O motorista do caminhão frigorífico teria recebido R$ 10 mil para fazer o transporte.

 

As ações policiais no Complexo da Maré, na zona norte, que antecederam a ocupação pelas Forças Armadas, na manhã deste sábado, 5, resultaram na morte de 16 criminosos, segundo balanço divulgado pela Secretaria de Segurança. Outros oito, sendo dois menores, foram feridos. Houve 36 confrontos entre policiais militares e bandidos, diz a nota. A operação preliminar durou duas semanas, entre os dias 21 de março e 4 de abril e envolveu as Polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal. As mortes ocorreram durante ações da PM. O balanço aponta ainda 162 prisões e 51 menores apreendidos. Foram apreendidas armas, munições e drogas como maconha, cocaína, crack e heróina