Ações da Apple caem até 5% por rumores de investigação

As ações da Apple Computer deslizavam em torno de 5 % nesta quarta-feira, após uma publicação na mídia de que promotores federais analisam atentamente documentos da fabricante de computadores "aparentemente falsificados" relativos a opções de ações. A notícia do site jurídico Law.com também afirma que o presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, contratou seu próprio advogado para lidar com os inquéritos sobre as garantias de opções de ações da Apple, iniciados pelo órgão regulador do mercado acionário norte-americano (SEC) e pelo Departamento de Justiça dos EUA. A Reuters não pôde verificar imediatamente a notícia. Representantes da empresa não estavam disponíveis para comentar o assunto. As ações da Apple caíam 4,44 %, para US$ 77,89, às 13h07 (horário de Brasília), enquanto o referencial tecnológico Nasdaq subia 0,30 %. A companhia informou anteriormente que deve republicar balanços contábeis de alguns períodos depois de ter identificado irregularidades no registro das opções de ações. Analistas disseram que a maior preocupação é que a investigação possa provocar a saída de Jobs da empresa que ajudou a fundar. O executivo é considerado como o responsável pela recuperação da Apple com a renovação da linha de computadores e o lançamento do player de música digital iPod. Em outubro, o conselho informou que, em alguns casos, Jobs tinha conhecimento de que opções de ações foram concedidas com datas anteriores à emissão. O executivo acabou sendo liberado de qualquer conduta imprópria depois que o conselho afirmou que ele não se beneficiou com as entregas de opções e não tinha ciência sobre as implicações contábeis. A Apple é uma entre cerca de 160 companhias que estão sendo investigadas ou que abriram seus inquéritos próprios sobre manipulação de datas de opções de ações em benefício dos executivos que as concederam.

Agencia Estado,

27 Dezembro 2006 | 16h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.