Agência européia vê risco de câncer em corante de carne

O uso desse corante, o Vermelho 2G, em alimentos, já é proibido no Brasil, diz a Anvisa

10 Julho 2007 | 16h27

A substância E128, também conhecida como Vermelho 2G, usada como corante em certos tipos de hambúrgueres e salsichas vendidos no mercado europeu, pode causar câncer, segundo alerta da Autoridade Européia de Segurança Alimentar. O uso desse corante, em alimentos, já é proibido no Brasil, informa a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O painel da organização, especialista em aditivos alimentícios, recomendou que o corante não fosse mais considerado seguro para o consumo humano. Segundo as atuais leis da União Européia, quantidades limitadas do Vermelho 2G são permitidas para o uso em salsichas com um mínimo de conteúdo de cereais de 6% e em carne de hambúrguer com um mínimo de conteúdo de vegetais ou cereais de 4%. O corante Vermelho 2G é convertido pelo corpo em um composto oleoso, a anilina. Exames em ratos e camundongos indicam que esta substância tem o potencial de desencadear o câncer. Os roedores injetados com anilina desenvolveram tumores cancerosos, informa a BBC Brasil. "Devido às novas provas científicas, não pode ser excluído o fato de que o potencial carcinogênico ocorre devido ao dano ao material genético das células. Portanto, não é possível determinar o nível de consumo para anilina que possa ser considerado seguro para humanos", disse uma declaração do painel da Autoridade Européia de Segurança Alimentar. "O painel concluiu então que o Vermelho 2G deve ser visto como um motivo de preocupação quanto à segurança", acrescenta a declaração. A Autoridade Européia de Segurança Alimentar, que está examinando novamente as provas científicas em todos os corantes alimentícios, comunicou as suas recomendações à Comissão Européia.

Mais conteúdo sobre:
corante E128 anvisa carne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.