Agricultura das Américas nasceu no Peru, indica pesquisa

Abobrinha parece ser a cultura amis antiga, com vestígios de 10.000 anos atrás

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 08h54

A agricultura estava se estabelecendo na América do Sul quase que ao mesmo tempo em que no Oriente Médio, considerado o berço universal da prática, indica uma nova pesquisa. Evidências de que abobrinha era cultivada no Peru, há quase 10.000 anos, são apresentadas na edição desta semana da revista Science. Uma equipe liderada pelo antropólogo Tom D. Dillehay, da Universidade Vanderbilt, também encontrou restos de amendoins de 7.600 anos atrás e de algodão de 5.500 anos atrás no chão e em fogueiras de localidades do Vale Nanchoc, no norte do Peru. "Acreditamos que o desenvolvimento da agricultura pelo povo de Nanchoc serviu como catalisador para mudanças culturais e sociais que, no fim, levaram à agricultura intensiva, institucionalização do poder político e novas cidades nos Andes, entre 4.000 e 5.500 anos atrás", disse Dillehay. As evidências mais antigas do cultivo de trigo, cevada e legumes data de 10.000 a 12.000 anos atrás no Crescente Fértil do Oriente Médio. "As plantas encontradas no norte do Peru não cresciam em estado silvestre naquela área", diz Dillehay. "Acreditamos que elas devem ter sido domesticadas em outro lugar e então levadas ao vale por comerciantes ou horticultores". Além do amendoim, da abobrinha e do algodão, os pesquisadores encontraram um grão semelhante à quinoa, mandioca e outros tubérculos e frutos nos locais, que incluem pomares, canais de irrigação e estruturas de armazenamento. Além do Oriente Médio e da América do Sul, outros locais onde há evidência de agricultura em tempos antigos incluem China, Sudeste Asiático e o leste dos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
agricultura peru oriente médio arqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.