Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Alckmin: 13 suspeitos por ataques a ônibus estão presos

30 de janeiro de 2014 | 18h 52
CHICO SIQUEIRA - Agência Estado

A polícia paulista já tem 13 suspeitos presos pelos ataques criminosos aos ônibus na periferia da capital paulista, informou nesta quinta-feira, 30, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, durante entrega de uma creche-escola em Guararapes, a 560 quilômetros da capital. No total, 33 ônibus e dois caminhões foram incendiados em janeiro em supostos protestos na periferia de São Paulo.

Segundo Alckmin, a polícia deve chegar aos verdadeiros motivos dos ataques por meio de uma investigação que está sendo feita pela polícia com os 13 detidos nos ataques dos últimos dias. "Temos hoje 13 suspeitos presos e através desses presos vamos conseguir esclarecer melhor a autoria e a motivação desses ataques", afirmou Alckmin.

Assim como o secretário de Estado da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, o governador não descartou a participação do crime organizado nos ataques, mas disse acreditar que possa haver motivações variadas para os atos criminosos. "Pode haver mais de uma motivação, não precisa ter uma motivação única", afirmou. "Pode não ser só vandalismo, mas há necessidade de uma investigação profunda", declarou o governador.

Questionado sobre a existência de indícios confirmando a participação do crime organizado nos protestos, Alckmin afirmou que seu governo tem o cuidado de não comentar investigações em andamento e que essa responsabilidade é da polícia. "Cabe à polícia, na medida em que há investigações encaminhadas, falar sobre o assunto, mas no momento adequado. Então vamos esperar a polícia investigar e depois dar os esclarecimentos".

Chacina de Campinas

Segundo Alckmin, seu governo já demonstrou, com o caso da chacina de Campina, estar tomando cautela quando se trata de assuntos de segurança. "Nós sempre temos sido cautelosos em comentar investigação em curso, como no caso de Campinas, quando sempre dissemos ''a polícia está trabalhando'' e ontem (29), o caso foi esclarecido com cinco policiais militares presos", comentou.

Alckmin disse que o tempo para esclarecer o caso esbarrou na necessidade de se conseguir provas de que os policiais teriam participado da chacina. "Nós cobrávamos diariamente, mas há que se ter a prova material para poder agir. A polícia fez um trabalho importante para que os cinco policiais fossem presos. A nossa tolerância com o desvio de conduta é zero. Os PMs estão presos e vão responder a processo penal e civil".



Tópicos: Protesto, SP, ônibus, Alckmin

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo