1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise - A vida do policial importa

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 21h 00

Texto publicado originalmente no Estadão Noite

Dados publicados no Anuário de Segurança Pública de 2015 mostram que ao menos um policial é morto por dia no Brasil.  De acordo com levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Núcleo de Estudos sobre Organizações e Pessoas, da FGV - EAESP, realizado no ano passado com mais de 10 mil policiais das diferentes forças policiais em todo o País, 61,9% dos que responderam a pesquisa relataram que tiveram algum colega próximo vítima de homicídio em serviço. Fora de serviço, o número passa para impressionantes 70% dos policiais cujos colegas próximos foram vítima de homicídio. É raro passarmos uma semana sem um caso de execução de policiais relatado na imprensa. Não é apenas o homicídio que ameaça a vida dos policiais brasileiros. O suicídio e o adoecimento acarretado pelo estresse e pelas dificuldades que os policiais enfrentam em seu dia a dia compõem o drama cotidiano da profissão em nosso país.  Recentemente, o cineasta José Padilha, diretor de Tropa de Elite e da série Narcos, argumentou em entrevista que o absurdo foi naturalizado no Brasil, e a facilidade com que a sociedade brasileira aceita o morticínio de policiais deixa o fato constatado por Padilha ainda mais evidente.

A vulnerabilidade do trabalho policial tem na frequência com que policiais são vitimados fatalmente a sua face mais repugnante. Porém, não podemos deixar de considerar que há todo um sistema que contribui para a fragilidade da profissão no País. Em primeiro lugar, destacam-se as péssimas condições de trabalho com que policiais lidam no dia a dia. Sobram histórias de armas fornecidas pelo Estado que às vezes falham, às vezes disparam sozinhas. É insistentemente comum que policiais tenham que comprar equipamentos para poder realizar as suas funções. Há casos em território nacional em que os policias precisam levar para o serviço o próprio papel higiênico. Isso sem falar que o apoio psicológico é privilégio de poucas polícias brasileiras. Um segundo aspecto é a baixa remuneração. Policiais brasileiros, com grande frequência, precisam ter trabalhos fora da polícia para poder complementar a renda familiar. A remuneração inadequada e insuficiente deixa os policiais em situação de extrema vulnerabilidade. Em terceiro lugar, há o fator medo que ronda diuturnamente a mente dos policiais. Muitos chegam ao ponto de precisar esconder de seus próprios vizinhos a profissão que exercem. 

Diante deste contexto, medidas urgentes precisam ser tomadas para romper esse círculo vicioso que gera o morticínio nas polícias. É fundamental uma articulação dos governos para fornecer aos policiais condições reais de trabalho, com equipamentos adequados e efetivo condizente com os desafios do País. Parcerias com universidades poderiam ser úteis para mitigar problemas como a falta de apoio psicológico. Outro ponto importante é a melhoria da remuneração, que poderia também ocorrer em forma de salário indireto. Por exemplo: policiais poderiam ter benefícios fiscais e também juros subsidiados para comprar casa e arcar com a educação de seus filhos, por exemplo. É urgente, ainda, a produção de pesquisas que esmiúcem as causas do morticínio de policiais no País. Os governos, também, precisam mostrar mais sensibilidade para o problema agilizando a liberação das indenizações dos policiais vitimados e buscando amparar as famílias das vítimas. Mas, antes disso, seria fundamental agir nas causas do problema. Finalmente, campanhas como a capitaneada por membros do Garra da Polícia Civil de São Paulo são fundamentais para conscientizar a sociedade da importância de se preservar a vida de nossos policiais. A vida do policial importa, e muito.

* Rafael Alcadipani, professor de Estudos Organizacionais da FGV-EAESP e visiting scholar no Boston College, EUA, e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em GeralX