1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise - O espetáculo da Operação Lava Jato

- Atualizado: 04 Março 2016 | 22h 00

Texto originalmente publicado no Estadão Noite

As ações de condução coercitiva do ex-presidente Lula e de busca e apreensão em imóveis de sua família e de seu instituto parecem colocar a Operação Lava Jato cada vez mais próxima do centro da crise política e de um possível e drástico fim a ela. Engana-se, porém, quem acha que a Operação Lava Jato, quando realiza ações como as de hoje, possa ser solução para a crise e aos males da política no Brasil.

No pedido do MPF, na decisão do juiz Sérgio Moro e na entrevista coletiva da força-tarefa da Lava Jato nesta sexta frágil, justificou-se que a condução coercitiva de Lula seria necessária para garantir a própria segurança do investigado e para evitar confrontos entre partidários e opositores do ex-presidente no clima de polarização política atual. Os responsáveis pela medida fizeram referência expressa ao clima político em geral e a confrontos específicos ocorridos em frente ao Fórum Criminal, quando o ex-presidente foi convocado para depor pelo MP estadual de São Paulo. A justificativa é frágil juridicamente, e perigosa politicamente.

Em primeiro lugar, a condução coercitiva, disciplinada pelo art. 260 do Código de Processo Penal, exige expressamente que o acusado tenha se recusado a atender intimação anterior para prestar depoimento. Até onde se sabe, isso não aconteceu no caso de Lula; além disso, o ex-presidente já prestou depoimento voluntariamente em outra oportunidade. O fato é que, no contexto atual, essa questão jurídica pode sempre ser revista, tendo em vista o ativismo recente do STF em matéria criminal, no contexto da Lava Jato, como ilustram a prisão em flagrante de Delcídio Amaral e a decisão de antecipação da execução da pena após decisão de segunda instância.

Isso nos leva aos problemas políticos da decisão. Se o MPF e a PF queriam evitar manifestações e eventuais confrontos de partidários e opositores de Lula em um depoimento com data e hora marcadas, bastava combinar com os advogados de defesa uma forma discreta disso acontecer - isso faz parte da prática da advocacia criminal mais cotidiana.

O que a condução coercitiva conseguiu foi um espetáculo. O ato de condução coercitiva é um ato de força, que como todos os atos de força praticados pelas instituições de segurança e justiça criminal (o uso de algemas, armas ou cacetetes, o encarceramento, a prisão em si) facilmente dispõe-se à espetacularização, ainda mais em tempos de atenção constante da mídia e de transmissão ao vivo e online de episódios como os de hoje; é nesse sentido que podemos entender o sucesso de filmes e séries policiais, bem como de programas televisivos de fim de tarde que exploram a violência e a criminalidade.

Para quem desconhece minúcias do caso, da imprensa estrangeira ao cidadão comum, Lula foi preso - o que não é tecnicamente correto. E quando a imprensa dispensa seu trabalho de esclarecimento e questionamento, e se rende à tentação do espetáculo (como uma rádio que transmitia a coletiva da força-tarefa sobreposta ao áudio de manifestações que ocorriam em outro local, como se houvesse uma 'torcida' no mesmo local da entrevista), ela aumenta o espaço das paixões e diminui o espaço da racionalidade da justiça criminal na apuração de fatos e na responsabilização dos acusados com base em evidências e parâmetros legais. Prova disso é o fato de que, apesar das supostas boas intenções do MPF, da PF e de Moro, houve manifestações e confrontos em diversos locais de São Paulo e São Bernardo do Campo, inclusive com registro de violência e prisões; e o fato de que, após seu depoimento, Lula deu uma inflamada declaração à imprensa, denunciando abusos da Operação Lava Jato e dizendo-se disposto a um confronto.

Lula e todos os demais envolvidos têm muito a explicar sobre suas relações com as irregularidades apuradas. Mas é importante que isso seja feito não só com respeito aos trâmites legais, mas também com responsabilidade e prudência por parte dos órgãos e agentes responsáveis pelas investigações. Ao optar pela condução coercitiva de Lula, a força-tarefa da Lava Jato jogou ainda mais lenha na fogueira da polarização e da possibilidade de violência política que eles queriam evitar. E isso está longe de ser uma solução para a crise política.

* Frederico de Almeida é doutor em Ciência Política pela USP, e professor do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em GeralX