1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise - Supremo 'relativizou' cláusula pétrea

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 14h 40

Texto publicado originalmente no Estadão Noite

Nessa quarta-feira, 17, em Brasília, testemunhamos um dos maiores espetáculos atentatórios aos direitos e garantias fundamentais já vistos na história deste país pós-constituição democrática de 1988. Em nome de uma suposta sociedade 'necessitada de Justiça', os ministros Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Dias Toffoli, Luiz Fux, Carmem Lúcia, Luís Roberto Barroso e Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, 'relativizaram' a cláusula pétrea da presunção de inocência - "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória" - para possibilitar a execução provisória da pena a partir do 2º grau de jurisdição (Tribunais Estaduais e Federais Regionais).

Olvidaram os eminentes ministros, porém, que o Supremo Tribunal Federal é o guardião da Constituição e, por esta razão, dos direitos e garantias fundamentais conquistados após longa jornada contra atos arbitrários do próprio Estado, a instalação de Assembleia Nacional Constituinte e a segurança jurídica insculpida na Carta Magna da Nação. Portanto, o Supremo interpretou texto que não dá margem a interpretações, vez que é cristalino e objetivo ao definir que a condenação só ocorre após o trânsito em julgado, ou seja, após esgotadas todas as possibilidades de recursos. Tal mudança radical de entendimento só poderia vir por meio de alteração na Constituição.  

A própria redação da Constituição é muito clara no sentido de atribuir as devidas competências com a repartição dos poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Tripartição também esquecida pelos eminentes ministros na última quarta-feira. Isso porque cabe ao Legislativo ser portador da vontade soberana e suprema da sociedade, ou seja, a cláusula pétrea não poderia simplesmente ser alterada numa sessão de julgamento.

Cabe lembrar a recente reforma do Código de Processo Penal advinda do Legislativo e não do Judiciário (por óbvio!), ao revogar, por meio de lei, após longos debates com a sociedade e decisões judiciais reconhecendo sua inaplicabilidade frente à presunção de inocência, o artigo 594 ("o réu não poderá apelar sem recolher-se à prisão, ou prestar fiança, salvo se condenado por crime de que se livre solto"). 

A cláusula é pétrea, o entendimento jurisprudencial é mutável, podendo, oxalá, na próxima sessão o Supremo corrigir essa gritante falha e retornar ao entendimento externado pelos brados fortes dos votos vencidos dos eminentes ministros Rosa Weber, Marco Aurélio, Celso de Mello e Lewandowski.

* Miguel Pereira Neto é sócio do Lacaz Martins, Pereira Neto, Gurevich e Schoueri Advogados e presidente da Comissão Permanente de Estudos sobre Corrupção, Crimes Econômicos, Financeiros e Tributários do IASP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em GeralX