Divulgação
Divulgação

Aplicativo para iPhone faz diagnóstico de derrame cerebral

Precisão é semelhante à de um exame convencional, diz universidade que desenvolveu ferramenta

Lais Cattassini, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2011 | 00h00

A Universidade de Calgary, no Canadá, desenvolveu um aplicativo para iPhone que permite diagnosticar derrames cerebrais com a mesma exatidão de um laboratório.

A universidade afirmou que o aplicativo - denominado Resolution MD Mobile -, que também está disponível para uso em aparelhos que utilizam o sistema operacional Android, pode ser de grande utilidade no meio rural. "O aplicativo permite uma visualização avançada e as pesquisas mostram que é entre 94% e 100% exato, comparado a um laboratório, para o diagnóstico de derrames agudos", disse o médico Ross Mitchell, que desenvolveu o software.

O médico explicou que, "em uma emergência, a representação de imagens médicas desempenha um papel importante no diagnóstico e no tratamento e o tempo é determinante no atendimento de derrames agudos".

As conclusões de Mitchell estão baseadas em um estudo realizado pela médica Mayank Goyal, também da Universidade de Calgary, no qual dois neuroradiologistas analisaram em um laboratório e em um iPhone 120 exames de tomografia computadorizada não contrastada e 70 angiografias de tomografia computadorizada.

O software está sendo criado pela Calgary Scientific e a companhia prevê que nos próximos dois anos mais de 50 mil hospitais terão instalado o programa em suas redes.

Acesso. Para o chefe da disciplina de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Antônio Carlos Carvalho, aplicativos como o Resolution MD Mobile facilitam o acesso e aceleram o diagnóstico. "Dificilmente haverá alguém especializado para diagnosticar um derrame na periferia ou no interior. O alcance da telemedicina é maior e, se a tecnologia proporciona o acesso, é importante." Segundo ele, o aplicativo poderá ser usado para capacitar pessoas e conscientizar a população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.