1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Após ataques a UPPs, Rio terá apoio de forças federais

RAFAEL MORAES MOURA - Agência Estado

21 Março 2014 | 15h 25

Preocupado com os ataques do crime organizado a três sedes de unidades de polícia pacificadora (UPPs), o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse há pouco que teve uma reunião muito "produtiva" com a presidente Dilma Rousseff (PT) e reiterou que solicitou ao Palácio do Planalto o envio de forças federais para conter a onda de violência na região.

O governador chegou a Brasília acompanhado do vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), o secretário de Estado de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel José Luís Castro, e o chefe da Polícia Civil fluminense, Fernando Veloso. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, acompanharam as discussões.

"A reunião se deu de maneira muito objetiva: nós solicitamos à presidenta Dilma e ao governo federal o apoio das forças federais no combate ao crime organizado no Rio de Janeiro, que se faz necessário nesse momento em que o crime organizado tenta, com o avanço da política de pacificação, com o avanço dos territórios pacificados, desestabilizar a presença da polícia nessas comunidades com ataques covardes, gerando pânico e o distúrbio nas comunidades e fazendo vítimas entre PMs e entre civis", afirmou Cabral a jornalistas, após a audiência.

De acordo com o governador, os ataques às UPPs já estavam sendo monitorados pelos serviços de inteligência do governo federal e estadual, "com gravações e informações de diálogos entre chefes dessas organizações criminosas".