Asfalto e usina mudam geografia do desmatamento ilegal no Pará

Frente de derrubada da floresta se deslocou para o sudoeste do Estado, que é o campeão de desmate na Amazônia

BRUNO DEIRO, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2012 | 02h03

Um levantamento da exploração de madeira no Pará, Estado apontado como campeão do desmatamento no País, mostra que obras de infraestrutura têm deslocado a atividade ilegal para o sudoeste paraense, ameaçando as ações que têm reduzido o desmatamento em outras áreas. Mesmo com ligeira queda, 60% da exploração de florestas locais ocorreu sem autorização entre agosto de 2010 e julho 2011.

Segundo o estudo, produzido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), 488 quilômetros quadrados foram desmatados sem o aval da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Pará (Sema). Cerca de 72% da atividade foi realizada em áreas privadas, devolutas ou sob disputa. O restante ocorreu em assentamentos de reforma agrária (20%) e em áreas protegidas (8%).

Um dos responsáveis pela pesquisa, o engenheiro florestal e pesquisador do Imazon André Monteiro, destaca que a queda do desmatamento, que havia sido de 10% no período anterior, foi de apenas 5% neste levantamento. "O relatório dá a indicação de algumas regiões críticas. A exploração ilegal, que se concentrava no nordeste e sudeste, do Estado, está crescendo no sudoeste", afirma Monteiro.

Uma das principais causas, segundo ele, é a melhoria da BR-163, rodovia que vem sendo asfaltada para facilitar a ligação entre Santarém e Cuiabá. "Como o remanescente florestal está se esgotando nas outras regiões, a estrada asfaltada aumentou a circulação e facilitou a extração ilegal ali", diz o pesquisador. A participação da área no total de exploração ilegal no Estado subiu de 15% para 30%.

Com isso, é possível que municípios como Uruará Altamira subam nos índices de desmate ilegal. Outras obras que têm tido influência no deslocamento da extração irregular, segundo o Imazon, incluem a pavimentação da Transamazônica e a construção da usina de Belo Monte.

Redução. Nas estatísticas oficias do governo sobre o desmatamento na Amazônia Legal entre agosto de 2011 e julho deste ano, o Pará aparece com o maior índice de florestas derrubadas, com 1.699 quilômetros quadrados. A secretaria de Meio Ambiente, porém, lembra que o Estado reduziu a taxa em 44%, em relação ao ano anterior. "Estamos fazendo uma vigilância contínua e os números mostram que o caminho é certo, porque estamos vencendo", disse o secretário estadual de Meio Ambiente, José Colares, por meio de nota.

O estudo do Imazon aponta que, além dos investimentos em infraestrutura, a demora na regularização de áreas de floresta pública tem freado o ritmo de queda no desmatamento. "Em locais como a zona de Itaituba 2 (uma Floresta Nacional), parece haver uma corrida dos invasores, que tentam extrair o máximo antes de ser adquirida pelo governo", diz André Monteiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.