Atirador que matou bombeiros em Nova York deixou nota com ameaças

Um atirador que matou dois bombeiros voluntários e feriu outros dois na véspera de Natal em Nova York deixou um bilhete declarando seu plano de queimar seu bairro e começar a "matar pessoas", afirmaram autoridades nesta terça-feira.

Reuters

25 Dezembro 2012 | 17h28

O atirador abriu fogo contra dois bombeiros voluntários que atenderam a um chamado de incêndio em uma residência, que ele havia provocado deliberadamente na manhã da segunda-feira em Webster, subúrbio de Rochester, disseram as autoridades.

William Spengler, 62, morreu durante troca de tiros com a polícia. Ele passou 17 anos na prisão por espancar até a morte sua avó de 92 anos de idade com um martelo em 1981, ainda de acordo com as autoridades.

A polícia disse que Spengler iniciou o incêndio para criar uma armadilha para os bombeiros e abriu fogo quando eles chegaram.

Ele deixou uma nota datilografada descrevendo sua intenção, disse o chefe da polícia de Webster, Gerald Pickering, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Segundo o oficial, os investigadores estão à procura da irmã de Spengler, Cheryl, 67, que está desaparecida.

(Reportagem de Ian Simpson)

Mais conteúdo sobre:
ATIRADOR NOVAYORK NATAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.