1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Aulas das escolas públicas de São Paulo vão começar mais tarde

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br

05 Fevereiro 2009 | 13h 00

Decisão foi tomada após professores faltarem à prova em dezembro que ajuda na distribuição das aulas

A volta às aulas para estudantes da rede estadual de São Paulo foi adiada para o próximo dia 16, segunda-feira. A Secretaria de Estado da Educação teve de alterar a data para o início do ano letivo, marcado anteriormente para 11 de fevereiro, em razão da mudança no calendário de atribuição de aulas para professores temporários.   De acordo com a secretaria, na noite de quarta-feira, 4, a pasta foi comunicada de decisão liminar da Justiça para que participem da atribuição de aulas os professores que faltaram à prova realizada em 17 de dezembro.   A secretaria discorda da decisão, já que pretende avaliar o conhecimento dos professores que trabalham com as crianças e adolescentes da rede. Segundo o órgão, a prova é um dos critérios para atribuição dos temporários (junto com tempo de serviço e títulos).   Com a decisão judicial, a atribuição, que começaria nesta quinta, 5, para os temporários, seria totalmente prejudicada, já que as Diretorias de Ensino ficariam sem tempo para atribuir aulas corretamente.   A secretaria vai recorrer à Justiça, via Procuradoria Geral do Estado. Mesmo assim, a data da atribuição foi alterada para que as Diretorias tenham tempo correto para a distribuição de aulas entre os professores temporários, garantindo, assim, um início de ano letivo com todos os professores em salas de aula.   A classificação dos professores temporários (juntando prova, tempo de serviço e títulos) está disponível no site. As novas datas para atribuição são: 10, 11, 12 e 13 de fevereiro. Os dias 6 e 9 de fevereiro estão reservados para possíveis recursos de professores à classificação.   Com início previsto para 16 de fevereiro, a rede estadual terá seu planejamento em 11, 12 e 13 de fevereiro (antes estava previsto para 25, 26 e 27 de fevereiro). Com isso, os estudantes vão continuar com os 200 dias letivos programados.