Automóveis devem ter rabos?

A descoberta de como os lagartos usam seus rabos motivou a construção de carros-robôs providos de rabos. E, impressionante, o rabo ajuda a estabilizar o veículo.

Fernando Reinach, biólogo,

19 Janeiro 2012 | 03h03

Para que servem os rabos? Vacas espantam moscas e macacos se penduram, mas sempre se suspeitou de que a principal função dos rabos seria ajudar os animais a manter o equilíbrio. O princípio envolvido é o mesmo que os equilibristas usam para andar numa corda bamba carregando uma longa vara. Se eles vão cair para a esquerda, levantam a borda direita da vara, o que leva o corpo a se inclinar para a direita, permitindo reequilibrar o corpo.

O fenômeno físico por trás desse efeito é a conservação do momento angular. Em filmes de guepardos perseguindo gazelas em alta velocidade, pode ser observado que o animal move o rabo para compensar o desequilíbrio causado pelas curvas fechadas necessárias para acompanhar a presa. Até recentemente, essa função dos rabos era uma simples suposição, nunca comprovada experimentalmente.

Um grupo de cientistas filmou em câmara lenta os saltos de lagartos da espécie Agama agama. Os lagartos, que pesam aproximadamente 65 gramas, eram incentivados a correr em uma pista, subir em um degrau, saltar sobre um vão, pousar sobre uma superfície vertical e entrar no seu esconderijo. Esses vídeos foram analisados de modo a verificar como o lagarto conseguia orientar o corpo durante o voo de modo a conseguir pousar na vertical partindo da posição horizontal.

Os cientistas variaram a superfície do degrau de onde o lagarto partia. Quando a superfície era lisa, mas não escorregadia, o lagarto conseguia orientar corretamente o pulo e o rabo permanecia reto em relação ao corpo. Mas, se a superfície era escorregadia, o impulso era mais fraco e ficava mais difícil de o lagarto iniciar o pulo com a cabeça erguida. Ele decolava em linha reta e, se nada fosse feito, bateria de frente na superfície vertical. Nesses casos, o lagarto levanta rapidamente o rabo de modo a orientar o corpo para a vertical durante o voo , conseguindo pousar corretamente. Finalmente, se a superfície era áspera, o lagarto partia com um excesso de inclinação e necessitava baixar o rabo para orientar o corpo.

Carro com rabo. Após coletar e analisar esses dados, os cientistas construíram um modelo matemático que permite prever o quanto é necessário mover a cauda do lagarto para orientar o corpo durante o voo, qualquer que seja sua orientação inicial. Para verificar se esse modelo estava correto, construíram um carro-robô com rabo, que possui um giroscópio que mede a inclinação do corpo do carro (que faz o papel do ouvido interno do lagarto) e informa um computador.

Com base nesses dados, o computador (que faz o papel do cérebro do lagarto) utiliza o modelo matemático e ativa um motor (que faz o papel dos músculos do rabo do lagarto) capaz de alterar a orientação do rabo do carro. O sistema é programado para mover o rabo de maneira a manter o corpo do carro na horizontal durante a queda.

O carro-robô foi lançado em uma pista descendente, semelhante a uma pista de salto de esqui, que termina em um trecho ascendente. Normalmente, sem a ativação dos movimentos do rabo, o carro tende a cair de bico no chão, como ocorre quando um caro sai da estrada e cai em um barranco . Quando o rabo inteligente é ativado, o carro consegue manter a frente erguida durante a queda e pousa na horizontal.

Isso prova que o rabo móvel é capaz de orientar o carro durante a queda. Mais importante, esse resultado demonstra que o modelo deduzido a partir dos estudos com lagartos permite não somente prever o comportamento dos lagartos, mas controlar a orientação de um carro durante a queda. Como toda boa ciência, esse estudo explica como funciona um fenômeno natural e permite que esse conhecimento seja incorporado a novos produtos.

É difícil saber se essa tecnologia um dia será incorporada aos carros. Afinal, um carro com rabo talvez não habite o sonho dos consumidores - mas sem dúvida o rabo ajudaria a evitar acidentes.

 

** MAIS INFORMAÇÕES: TAIL-ASSISTED PITCH CONTROL IN LIZARDS,  ROBOTS AND DINOSAURS. , NATURE,  VOL. 481,  PÁG. 181,  2012

Mais conteúdo sobre:
Fernando Reinach automóveis rabos Biologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.