1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Bebê aguardará transplante fora de hospital nos EUA

JOSÉ MARIA TOMAZELA - Estadão Conteúdo

26 Agosto 2014 | 16h 49

A menina Sofia Gonçalves de Lacerda, de oito meses, que nasceu com uma doença rara e precisa de um transplante do aparelho digestivo para sobreviver, será transferida para um apartamento adaptado para tratamento homecare, em Miami, nos Estados Unidos. No último dia 14, ela recebeu alta no Jackson Memorial Hospital e vai aguardar no apartamento, junto com os pais, a doação dos órgãos de que precisa para o transplante multivisceral.

O bebê precisa receber de doadores de órgãos como estômago, fígado, pâncreas, intestino delgado, intestino grosso e, provavelmente, um rim. De acordo com os médicos, a cirurgia é a maior que pode ser feita em um ser humano - e por essa razão poucos hospitais têm estrutura para realizar o transplante múltiplo.

Sofia recebeu alta para continuar o tratamento em casa para prevenir possível infecção em ambiente hospitalar. De acordo com o advogado da família, Miguel Navarro, o serviço de homecare é prestado por uma empresa particular e será custeado pelo governo brasileiro, conforme a decisão do desembargador Márcio Moraes, do Tribunal Regional Federal da 3ª. Região, com sede em São Paulo.

Como o dinheiro ainda não foi depositado, a menina continua no hospital e as diárias estão sendo retiradas do montante reservado para o transplante. Segundo o advogado, o Ministério da Saúde prometeu fazer o depósito até a quinta-feira, dia 28. "Esperamos que tudo seja cumprido conforme o desembargador determinou", disse a mãe da criança, Patrícia Lacerda.

Ela e o marido, Gilson Gonçalves, que viajaram aos Estados Unidos para acompanhar o tratamento, estão preocupados com o risco de faltar dinheiro para o transplante. A família conseguiu arrecadar cerca de R$ 2 milhões em campanhas, mas o dinheiro está sendo usado para custear a estadia dos pais.

Sofia é portadora de Síndrome de Berdon, uma doença rara que impede o funcionamento do aparelho digestivo. O transplante, única forma de tratamento, não é realizado em hospitais brasileiros. A família recorreu à Justiça e conseguiu decisão favorável à transferência da criança para os Estados Unidos, onde ser tratada às expensas da União.

Desde que entrou na fila dos transplantes do sistema de saúde americano, Sofia passou por cirurgias na bexiga e no coração. O Ministério da Saúde informou que o atraso no repasse dos recursos para o homecare deveu-se a falta de informações necessárias no orçamento para o serviço. A campanha nas redes sociais "Ajude a Sofia" já atingiu 1,5 milhão de acessos.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo