Blogs gringos discutem mídia social

Encontro em Las Vegas debate sobre novas formas de comunicação e buscam a profissionalização de blogueiros

Carolina Frederico,

29 Agosto 2008 | 00h00

"Eu criei um blog" ou "Você deveria ter um blog". Já contou quantas vezes você ouviu essas frases ultimamente? O.k., digamos que já seja blogueiro. Já se perguntou por quê e para quem está blogando? E você (ou a sua empresa) está blogando certo? Durante três dias, os palestrantes da BlogWorld & New Media Expo tentaram encontrar as repostas. Em resumo, o evento da semana passada em Las Vegas, nos EUA, tentou ajudar blogueiros a se tornarem profissionais – e profissionais a se tornarem blogueiros. As discussões giraram em torno do fato irrecusável de que todas as pessoas do mundo já estão, de alguma forma, conectadas umas às outras. Daí a importância crescente das mídias sociais e as ferramentas e possibilidades por ela oferecidas. A própria definição de mídia social trouxe diferentes respostas que levam a um mesmo lugar: é a mídia feita pelos cidadãos. Blogs, wikis, podcasts e redes sociais seriam as ferramentas oferecidas para que essa nova mídia seja operada. Durante todo o primeiro dia, o workshop Jornalismo Cidadão ofereceu um treinamento para ensinar técnicas jornalísticas a blogueiros , como a checagem e busca de informações e edição de conteúdo. Por outro lado, jornalistas tradicionais aprenderam a lidar com a nova mídia. Para a advogada da Pajamas Media (pajamasmedia.com) Nina Yablok, uma das palestrantes, os jornalistas do futuro serão médicos, soldados, advogados e economistas, que estarão falando de acordo com suas experiências e seu conhecimento. Em outra sala, uma conferência foi voltada para empresários e pessoas que procuram não ter medo de se comunicar com as novas mídias. Estava lá um dos estandes mais inusitados do encontro blogueiro: uma empresa que fabrica e vende misturadores de cimento. A Cart-Away Supply estava na feira para aprender a usar blogs e fazer propaganda em novas mídias, já que o cimento é o segundo produto mais utilizado pela humanidade. Caso curioso de empreendedorismo. EXEMPLOS DE SUCESSO A cada início e fim do dia, uma palestra abria e fechava o evento. A primeira ficou a do blogueiro Dave Taylor, do www.askdavetaylor.com, que falou sobre as mudanças nos meios de comunicação e da importância dos blogs e das novas mídias no contexto. Para ele, há algumas preocupações fundamentais para se manter no meio da revolução da mídia social: "Permanecer relevante, comunicar, participar, ter uma voz e usá-la", enumera o profissional de internet, online desde os anos 80. A palestra do garoto-prodígio Gavy Vaynerchuck (dos sites www.winelibrary.com e www.gavyvaynerchuck.com) fechou o primeiro dia. Blogueiro de sucesso, em cinco anos Vaynerchuck transformou o negócio da família em uma empresa de US$ 45 milhões, usando ferramentas como o YouTube e o Facebook. "Tudo tem a ver com comunidade. Comece a passar de duas a três horas por dia, todos os dias, respondendo cada um dos seus e-mails, publicando posts e comentários em outros sites do mesmo ramo de interesse que o seu", aconselha o ídolo da internet, que diz responder pessoalmente mais de 700 e-mails por dia. "Em vez de ficar atrás de um balcão vendendo vinho, eu estava construindo o nome da minha marca, conversando com pessoas, fazendo networking, construindo a base. São pessoas que ajudam pessoas", diz. A cerimônia de abertura da BlogWorld & New Media Expo foi justamente sobre esse assunto: celebridades admitindo que no futuro todos terão os seus cinco minutos de fama, com Timothy Ferriss, autor do best-seller traduzido em mais de 30 línguas A Semana de Quatro Horas de Trabalho, e o músico e blogueiro Mike Shinoda, da banda Linkin Park. Ferris controla um negócio de milhões de dólares usando um computador. A banda de Shinoda, por sua vez, teve o nome original alterado porque já não estava disponível como pontocom. O músico bloga porque acha importante ter o controle sobre aquilo que produz e quer se comunicar com o seu público à sua maneira. Ao Link, ele disse que concorda com a celebritização de pessoas comuns. "Eu, por exemplo, não entendo por que algumas pessoas me perseguem e tiram milhares de fotos. Eu sempre respeito os meus fãs, mas faço questão de dizer: ‘Eu sou uma pessoa como você’." As discussões sobre mídia social continuam no endereço www.blogworldexpo.com/blog.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.