Brasil avançou na prevenção da violência, diz OMS

Ações no Complexo da Maré, no Rio, e no Jardim Ângela, em SP, foram elogiados com ressalvas

BBC Brasil, BBC

16 Julho 2007 | 20h14

Um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que o Brasil mostrou avanços no seu programa nacional de prevenção da violência desde 2002. O documento, divulgado na segunda-feira, 16, que detalha iniciativas preventivas, está sendo divulgado na mesma semana em que 200 especialistas de todo o mundo estão se reunindo na Escócia para avaliar os avanços e identificar estratégias para ampliá-los.   A OMS destaca que o Brasil publicou seu primeiro relatório nacional sobre a relação entre violência e saúde e completou um levantamento de mais de 300 programas de prevenção de violência.   Como parte do levantamento, também foi avaliada e elogiada, com ressalvas, a eficiência de dois programas específicos - um no complexo da Maré, no Rio de Janeiro, e outro no Jardim Ângela, em São Paulo.   "Os resultados sugerem que, ainda que as duas iniciativas tenham conseguido estabelecer com sucesso fortes e sustentáveis contatos com jovens de alto risco, dificuldades metodológicas na identificação de grupos de comparação sem intervenção limitam a habilidade de estabelecer firmes conclusões", disse o relatório.   O Brasil avançou em seu programa nacional de prevenção da violência por meio de iniciativas lideradas pelo Ministério das Saúde e conduzidas em colaboração com o Ministério da Justiça, com a Organização Pan-Americana de Saúde e vários centros de pesquisa e organizações não-governamentais.   Saúde   O documento diz que vários países estão adotando novas e mais fortes medidas para evitar a violência interpessoal e o impacto dela a longo prazo sobre a saúde. Além do Brasil, foram elogiados no relatório da OMS avanços na prevenção da violência especificamente em Moçambique, Malásia, México e na Grã-Bretanha.   "Com um maior conhecimento do que funciona na prevenção da violência em famílias e comunidades, o campo da prevenção da violência chegou a um divisor de águas", disse Catherine Le Galès-Camus, diretora-assistente para Saúde Mental e Doenças não-contagiosas da OMS.   Ela explicou que a reunião desta semana na Escócia, chamada Milestones 2007, é "uma oportunidade de aprender lições com o bom trabalho sendo feito em muitos países e definir formas para ampliar a implementação delas em países em todo o mundo".

Mais conteúdo sobre:
segurança pública Complexo da Maré OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.