"Brasil pode ser o maior"

Reggie Fils-Aime:

Jocelyn Auricchio,

25 Agosto 2008 | 00h00

Qual sua visão do mercado brasileiro, e o que a Nintendo pretende fazer para melhorar sua participação? Nossa visão é que o Brasil pode ser o maior mercado da América Latina. Existe um grande potencial, dada a estabilidade econômica e o tamanho da população. Mas isso não é o que acontece. Com os impostos altos, os produtos ficam muito caros. Jogos de música são a esperança para que a indústria da música saia da crise? O modelo de negócios da indústria dificulta o acesso à música. O iTunes e os jogos musicais estão mudando isso. Não sei se os games são a salvação, mas a situação da indústria da música é um aviso claro do que acontece quando não se ouve o consumidor. Alguns jogos de Wii são ruins. O que falta para as empresas utilizarem o potencial do console? Realmente existem jogos decepcionantes no Wii, mas esses jogos não vendem bem. Os jogos caprichados são bem aceitos pelo consumidor. Isso acontece porque algumas empresas não colocaram suas equipes de primeira linha trabalhando para o console. A própria EA admitiu que apostou no cavalo errado, quando deu menos importância ao Wii. As coisas estão mudando rápido. Jogos cada vez melhores estão aparecendo. Um bom jogo leva de 12 a 18 meses para ser feito e os grandes jogos estão chegando. E o que a Nintendo está fazendo para garantir que o nível dos games melhore? Oferecemos nosso conhecimento e ferramentas aos desenvolvedores. Com o DS foi assim, e veja os jogos que estão por aí agora...

Mais conteúdo sobre:
games

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.