Britânica é acusada de fazer sexo com menores 'como pagamento' por vandalizarem carro de rival

Mulher de 42 anos teria pedido a adolescentes de 13 e 14 anos que destruíssem carro da nova namorada do seu ex.

BBC Brasil, BBC

15 Fevereiro 2012 | 09h50

Uma mulher de 42 anos está sendo julgada pela Justiça britânica por fazer sexo com dois adolescentes de 13 e 14 anos de idade numa forma de compensação por terem concordado em vandalizar o carro da nova namorada de seu ex.

Davina Travi, mãe de cinco filhos, prometeu sexo aos jovens se eles destruíssem o carro de Stacey Allright, pivô da sua separação do ex-namorado com quem se relacionou por três meses.

Cumprido o objetivo, a mulher cumpriu sua promessa.

No processo apresentado na Justiça de Bournemouth, no sudoeste da Inglaterra, os procuradores acusaram Travi de manter uma relação condenável com os jovens, mesmo antes do incidente, em abril de 2010.

"Davina Travi tratou crianças como adultos. No fim de 2009, ela permitia que eles bebessem e fumassem na sua casa", disse o promotor Stephen Dent, em declarações reproduzidas pelo "Daily Telegraph" e no "Daily Echo" de Bournemouth.

"Essa atitude irresponsável culminou quando Travi decidiu usá-los para se vingar do ex-namorado, corrompendo-os para vandalizar o carro de Allright pela recompensa de fazer sexo com ela - recompensa que ela cumpriu."

O promotor afirmou que os adolescentes roubaram a placa do carro vandalizado e a entregaram para a mulher, como prova do ato. Travi teria então aproveitado uma hora em que seus próprios filhos estavam na escola para satisfazer os meninos.

Evidências telefônicas mostraram que a mulher manteve contato posteriores com os meninos, hoje dois anos mais velhos.

O caso veio à tona depois que um deles se arrependeu e confessou a uma assistente social na escola.

A mulher nega as três acusações de abuso sexual, alegando que possui uma condição médica que a impediria de ter relações sexuais com os garotos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.