Busca por assaltantes de Cotiporã segue na madrugada

A polícia do Rio Grande do Sul afirma que seguirá a busca aos assaltantes que explodiram uma fábrica de joias na madrugada de domingo e fizeram nove reféns no município de Cotiporã, na Serra Gaúcha. A operação segue durante a madrugada e na segunda-feira, inclusive com as barreiras nas estradas.

TÁSSIA KASTNER, Agência Estado

31 Dezembro 2012 | 00h17

A avaliação é de que os bandidos estejam sem carro e sem condições de se deslocar na mata da região, o que pode facilitar as buscas. Pouco antes das 23h de domingo, os nove reféns, levados após o ataque da madrugada, foram resgatados pela polícia.

Comandante da operação, o capitão da brigada militar, Juliano Almeida disse que os reféns foram abandonados na mata logo após o ataque, e foram orientados a não fazer barulho, para que os bandidos pudessem fugir. Segundo a polícia, pelo menos dois assaltantes fizeram reféns. A prioridade da ação policial era resgatar as vítimas com vida, orientação dada inclusive pelo governador do Estado, Tarso Genro, em entrevista no final da manhã deste domingo.

O ataque com explosivos à fábrica de joias ocorreu às 2h da manhã de domingo, e utilizou moradores do município que estavam no bar em frente à fábrica como escudo humano. Nove deles foram levados como reféns. A polícia, que havia sido informada pelo seu serviço de inteligência de que ocorreria um ataque na região, montou barreiras para deter a fuga dos bandidos. No confronto, foram mortos três assaltantes, entre eles o foragido número um do Estado, Elisandro Falcão. Sete dos reféns foram libertados nessa operação da madrugada, mas os assaltantes que escaparam fizeram outras sete pessoas reféns, incluindo uma criança.

Mais conteúdo sobre:
Rio Grande do Sul Cotiporã assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.