AO VIVO

Acompanhe o Jornal Eldorado desta quarta-feira

Cão da raça border collie aprende mais de mil palavras

Psicólogos americanos demonstraram que um cão pode entender que os sons que emitimos se referem a objetos

, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2011 | 00h00

Pesquisadores demonstraram que os cães da raça border collie podem entender os nomes de mais de mil objetos e a ordem em que devem pegá-los. As descobertas foram publicadas na revista Behavioural Processes.

Os pesquisadores John Pilley e Alliston Reid, professores de psicologia do Wofford College, na Carolina do Sul (EUA), responderam a duas questões centrais: quão extenso pode se tornar o vocabulário de um cão se ele receber treinamento? E o que os cães realmente entendem quando usamos linguagem humana para nos comunicarmos com eles?

Os autores demonstraram que sua cadela, Chaser, aprendeu o nome de 1.022 objetos em três anos, não havendo limite de aprendizagem aparente.

A habilidade do animal de aprender e memorizar mais de mil substantivos próprios, cada um ligado a um objeto único, é uma evidência clara de diversas capacidades necessárias para a aprendizagem receptiva da linguagem humana: a habilidade de discriminar muitos objetos visualmente, um vocabulário extenso e uma memória substancial.

O segundo experimento demonstrou que Chaser realmente entendia que esses eram nomes e não comandos para pegar os objetos. Para testar a independência do sentido dos substantivos e dos comandos, os pesquisadores aleatoriamente combinaram substantivos com verbos para ver se a cadela era capaz de adotar o comportamento adequado em relação a determinados objetos. Sem treinamento específico, Chaser respondeu a cada combinação corretamente, na primeira tentativa.

A terceira experiência mostrou como o animal de estimação também podia entender palavras por categorias de objetos ou substantivos comuns e não apenas substantivos próprios ou nomes individuais. Por exemplo, ela aprendeu que a palavra "brinquedo" se referia a todos os 1.022 objetos com os quais ela podia brincar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.