Casa Civil critica declarações de reitora da USP

Suely Vilela havia criticado o governo pela suposta demora na publicação do decreto que reafirmou a autonomia das universidades paulistas

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 09h36

Depois de 51 dias de ocupação parte de alunos no prédio da reitoria da Universidade de São Paulo, no bairro do Butantã, na zona oeste da capital paulista, e um balanço parcial divulgado pela reitora Suely Vilela sobre os danos causados no prédio, inclusive o furto de equipamentos de informática e outros aparelhos eletroeletrônicos, o secretário da Casa Civil do Governo do Estado, Aloysio Nunes Ferreira Filho, em entrevista ao Jornal da Globo, respondeu nesta quinta-feira às declarações feitas pela reitoria à Rádio CBN anteontem. Suely havia criticado o governo pela suposta demora na publicação do decreto que reafirmou a autonomia das universidades paulistas. Durante a entrevista, Suely afirmou: "O decreto declaratório só ocorreu em 31 de maio, e a ocupação começou no dia 3 de maio. Então, esse também foi um dos fatores agravantes desse processo. O secretário da Casa Civil, Aloísio Nunes Ferreira, disse que o decreto foi publicado no dia 31 de maio porque o pedido da reitoria para que fossem esclarecidas dúvidas em relação à autonomia universitária só foi feito um dia antes. "Acho que a reitora está querendo atribuir ao governo do estado responsabilidades que são dela. Não tomou a atitude que deveria ter tomado com a sua autoridade de reitora: demorou demais para pedir reintegração de posse, depois negociou o tempo todo com os invasores, o tempo todo vinha mantendo negociações e fez um acordo em que abre mão de aplicar as penalidades previstas pelo estatuto da universidade aos invasores estudantes e sindicalistas", disse Aloysio.

Mais conteúdo sobre:
USP reitoria ocupação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.