Celular é eletrônico mais exportado no ano

As exportações de telefones celulares cresceram 22% neste ano, para US$ 2,9 bilhões, segundo estimativas da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), divulgadas nesta quinta-feira, dia 7. Foi o produto mais exportado do setor neste ano. A indústria produziu 74 milhões de aparelhos em 2006, dos quais 54% foram destinados ao mercado interno e 46% ao externo. "O câmbio não afetou os celulares da forma negativa como esperávamos", afirmou o diretor da área de telecomunicações da Abinee, Paulo Castelo Branco. Apesar do número positivo, Castelo Branco afirmou que as exportações de celulares poderiam ter sido ainda melhores neste ano, mas houve a transferência de uma fábrica da Nokia para o México, o que prejudicou as vendas externas desse segmento. Dependência Na outra ponta, a maior importação do setor, que neste ano terá déficit de US$ 9,5 bilhões, foi de componentes. Em 2006, a indústria brasileira comprou do exterior o que equivalente a US$ 11,9 bilhões, ante US$ 9,6 bilhões em 2005, uma alta de 25%. Ainda em termos porcentuais, a maior variação nas importações foi verificada nas compras da China, que cresceram 44% em 2006 em relação a 2005, segundo a projeção da Abinee. A título de comparação, o setor importou daquele país US$ 526 milhões em 2001. Em 2005, este número já estava em US$ 3 bilhões e, neste ano, subirá para US$ 4,3 bilhões. Avaliando-se países individualmente, depois da China, os Estados Unidos são o segundo maior fornecedor do Brasil nessa área, com US$ 2,6 bilhões.

Agencia Estado,

08 Dezembro 2006 | 08h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.