César Pisano: morre um dos inventores da Tannat uruguaia

 

18 Novembro 2010 | 09h38

O patriarca da família Pisano, importantes produtores da região de Progresso, próximo a Montevidéu, morreu sábado passado, aos 88 anos. César não era a primeira geração da família, mas foi ele quem decidiu começar a produção de vinhos finos, mudando o rumo da empresa familiar, que se dedicava somente ao vinho de garrafão.

Cesar Pisano plantou mudas selecionadas de Tannat e foi um dos pioneiros na crença de que a uva rústica e difícil vinda do Madiran, no sudoeste francês, era capaz de produzir grandes vinhos. Sua atuação pode ser considerada como parte do nascedouro da moderna vinicultura uruguaia.

Os três filhos, que hoje comandam a Pisano, continuaram a seguir os ditames do pai, que mesmo aposentado não se afastou da bodega. No mês passado, almocei com ele, quando falou do livro com suas reminiscências que escreveu para os netos. Reclamou dos coelhos que comem suas rosas e provou novidades: os vinhos do neto, Gabriel, que estreia a Viña Progresso, quinta geração familiar. Tudo enquanto comíamos deliciosos miúdos na parrilla. Era um homem feliz.

 

 

Veja também:

linkEle é a cara das delis de NY

linkJornalista em busca do pastrami perfeito

linkSem um pastrami para chamar de seu

Leia mais:

linkUm olhar na direção da cozinha de Alice Waters

linkFeita em casa é mais gostosa

linkO vinho vira cultura no séc. 21

linkDiga-me o que bebes e te situarei na sociedade

linkNome que faz tremer

linkQuem gosta de vinhos velhos?

linkNorth Grill, em versão chique

linkNorma, molho com nome de ópera

blog Blog do Paladar

Mais conteúdo sobre:
C&eacute sar Pisano vinhos horta glupt paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.