AFP PHOTO / GREG BAKER
AFP PHOTO / GREG BAKER

China avisa que está preparada para defender ‘interesses nacionais’ em guerra comercial contra EUA

Durante ligação telefônica com o Secretário de Tesouro americano, vice-primeiro-ministro chinês avisou que ações americanas ‘violam as regras do comércio mundial’

O Estado de S.Paulo

24 Março 2018 | 03h35

PEQUIM – A China está preparada para defender os interesses nacionais em uma guerra comercial contra os Estados Unidos, afirmou o vice-primeiro-ministro do País, Liu He, ao Secretário de Tesouro americano, Steven Mnuchin, durante uma ligação telefônica nesta sexta-feira, 23. 

Segundo a agência de notícias Xinhua, Liu disse a Mnuchin que a decisão de Washington de impor tarifas de US$ 50 bilhões a importações chinesas viola as normas do comércio internacional e que a China está “pronta para defender os interesses nacionais" e espera que os dois lados "permaneçam racionais” durante as negociações.

+ China alerta para risco de 'desestabilização econômica mundial' devido a tarifas dos EUA

Durante a ligação, Mnuchin também discutiu as investigações que apuram a participação de Pequim no suposto roubo de propriedade intelectual americana e transferência forçada de tecnologia. Os inquéritos americanos serviram de base para o aumento dos impostos sobre a importação chinesa.

+ Conflito entre EUA e China pode favorecer exportador brasileiro de carne suína

Segundo a imprensa local, Liu respondeu a Mnuchin que as investigações “violam as regras do comércio mundial e é prejudicial para China, os Estados Unidos e todo o mundo.”

A conversa entre os dois representantes do governo ocorre um dia após Pequim anunciar que está considerando impor novas tarifas a importações americanas que totalizam US$ 3 b'ilhões. A retaliação busca contrabalancear o aumento dos impostos sobre aço e alumínio impostas por Washington.

+ ‘Escalada’ de protecionismo é maior risco após decisão de Trump contra a China

O país asiático também entrou com ações legais na Organização Mundial do Comércial, afirmando que a decisão imposta pelos Estados Unidos interferem no comércio internacional. // REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.